Da Resistência do Gueto à Marcha da Vida

Paulo Rosenbaum

23 Abril 2017 | 17h24

“Da Resistência do Gueto à Marcha da Vida”

Hoje, 19 de abril de 1943, consegui chegar até a rua de Mila, entrar e sair do bunker. A New Olimpik parecia estar vazia. Acabaram de decretar o esvaziamento do Gueto. Naquele momento já sabíamos o conteúdo do decreto e da ordem executiva: “extermínio completo”. Dos 450 mil iniciais restavam 35.000 pessoas. Mas, nas últimas horas, reinava uma estranha paz, nenhum soldado. Nenhum blindado. Apenas as ruínas de sempre, ofuscadas por uma ou outra rajada de fuzil e morteiros, ou, gritos fracos de fome e pedidos inúteis de ajuda. Sabia que a vingança estava à espreita. O comandante não aceitava e ficou incrédulo com a ideia de que um grupelho de miseráveis, famintos e sem recursos ousasse uma insurgência. Resistimos mais dias do que Paris e o exército polonês. Foram 27 contando hoje. Sorri sozinho pensando na cara de espanto da SS e o impacto da notícia em Berlim. Sentei apoiado no beco, entre as duas esquinas, e, pela primeira vez desde que começamos a resistir, deitei a pistola no chão. Resistir para que? Para que o massacre promova suas festas logo adiante? Foi quando o vi o pelotão nazista com um cordão de condenados. No meio da fila lá estava ele. Pequeno, com a boina quase caída. Com as mãos para cima olhava buscando algum tipo de pedagogia, sem imaginar que nenhum adulto poderia lhe oferecer resposta alguma. Neste caso garoto, respondi mentalmente, “existem mais perguntas do que respostas”.

Mentalizei algumas de suas perguntas “Como isso pode acontecer?” “É daqueles sonhos que sentimos alegria ao acordar?”

Eu me espremi contra o muro para não ser visto, esperando uma chance para uma última intervenção. Deveria agir? Preservar minha vida ou ser o herói que ninguém lembraria? As dúvidas diminuem muito quando você sabe que está condenado. Apenas aguardaria o embarque na estação daquelas pessoas e morreria levando um punhado de alemães comigo. Foi uma explosão que interrompeu minhas dúvidas. Acordei numa vala fora de Varsóvia e sobrevivi com a ajuda da resistência polonesa. Foi a última vez que vi aquele garoto de não mais do que 12 anos. Hoje, 74 anos depois, eu, como um dos poucos sobreviventes do evento que foi conhecido como “Levante do Gueto de Varsóvia” fui convidado a visitar o campo de concentração de Auschwitz. Sempre recusei vir, hoje não. Tinha preparado um discurso, mas, na hora, recitei uma poesia achada enfiada às pressas na parede de uma das casas do Gueto, presente de um amigo da resistência polonesa.

Com a tinta azul quase apagada em uma folha amarela, estava escrita em polonês e dizia o seguinte

“Varsóvia, 19 de abril de 1943

podemos sentir,

mesmo que nenhuma folha

voe, e passe para além destes portões.

a árvore central viverá,

pois não está suspensa

formou raízes nos asfaltos,

nas pedras e nas cidades

nas cabeças do mundo

nós voaremos como vento, ar, fumaça,

e iremos ter com o Alto

com a certeza de que mesmo

que silenciem diante de todas as perguntas

e mesmo no pó que tentaram nos transformar

a resposta, solene, será permanecer

eu ri,

e se me perguntassem por que

diria que eles nem imaginam nosso segredo,

a árvore da vida é mais teimosa

do que os campos da morte”

Hoje, neste dia no qual homenageamos as vítimas do holocausto venho aqui dar meu depoimento como um dos últimos sobreviventes vivos do holocausto. Quero convocar jovens de todo mundo, de todas as etnias, raças e religiões a visitar este lugar. Recentemente uma estudante de direito, que identificarei apenas como “MCM” que participou de uma visita à Auschwitz me enviou a seguinte mensagem emocionante, foi ela que me convenceu aceitar este convite:

“Tive a oportunidade de visitar Auschwitz quando tinha 16 anos. Fui a Auschwitz, fazendo parte de uma iniciativa de um grupo chamado Holocaust Educational Trust, que da a alguns jovens de toda a Inglaterra a oportunidade de fazer essa visita. O princípio do Holocaust Educational Trust, com o que eu concordo plenamente, é que ver não é como escutar; é mais. Durante a visita fomos ao Auschwitz I, e ao Auschwitz II. Primeiro, visitamos ao Auschwitz I, que é o campo original, e o menor dos dois, construído para prisioneiros políticos que é formado de 22 prédios  nos quais, hoje, pode se ver roupas; malas; brinquedos e cabelos cortados das vítimas. Depois fomos ao Auschwitz II, o maior campo de extermínio onde morreram mais de um milhão de pessoas em menos de 5 anos. Conhecer os fatos antes de ir já era inacreditável e horrível mas nunca eu achei que ia ver, sentir e entrar em contato com um evento histórico que me afetaria tanto como nessa visita. O impacto que essa visita teve sobre mim foi extraordinário. Primeiro porque foi educativo; me ensinou detalhes e me vez aprender de uma maneira que livros não ensinam. Segundo, e o que eu dou mais valor, foi que essa visita teve um impacto existencial e emocional.  Teve uma foto especificamente de duas meninas de não mais de 10/11 anos de idade; irmãs talvez. As duas me lembraram de mim e da minha irmã. Até hoje quando lembro disso, e mesmo escrevendo isso, lágrimas enchem os meus olhos porque não somos tão diferentes daqueles que morreram nos campos de concentração. A vida que aquelas pessoas viveram é algo que eu não consigo imaginar e uma realidade que depois da visita virou uma das mais difíceis de lembrar e uma importante experiência de vida. Hoje eu sou uma advogada, qualificada na Inglaterra. Devido às várias experiências da minha vida, incluindo essa visita a Auschwitz, uma das minhas metas profissionalmente e pessoalmente é ter certeza de que o que aconteceu em 1940 nos campos de concentração de Auschwitz nunca aconteça de novo. Eu sei que não é tão fácil assim mas eu acredito que abrir os olhos e não só saber os fatos mas entender o que a vida era para aqueles que sofreram e morreram ensina algo que livros não conseguem ensinar. Abrem os olhos aos pequenos atos que podemos fazer e ao que podemos prestar atenção para que isso não aconteça de novo. Mas não quer dizer que todos que foram comigo foram afetados da mesma maneira ou tem as mesmas metas que esta experiência inspirou em mim, mas mesmo assim tenho certeza que são pessoas que não veem o que aconteceu  entre 1940 e 1945 como um fato histórico apenas, mas sim como uma parte de todos nós como seres humanos ; algo que não só afeta aos que morreram mas aos que estão vivos hoje. O que aconteceu nos ensina e abre os nossos olhos para a nossa realidade de aqui e agora.”

Este depoimento da jovem adolescente brasileira resume muito a relevância deste tipo de iniciativa. Quem participa da “Marcha da Vida” adquire ao menos uma experiência: no final da caminhada temos a certeza de que juntos precisamos prestigiar este monumento à prevenção de “Amanhãs de erros antigos”.  A “Marcha da Vida” — um contraponto à Marcha da Morte promovida pelos nazistas — não é só um símbolo ativo do slogan “Nunca mais”, ela é a afirmação de que a vida pode ser sustentada mesmo contra todas as evidencias da razão. Não se enganem, o lugar é sinistro, é um sítio histórico e, ao mesmo tempo, um dos mais vergonhosos e dolorosos para a humanidade, Um campo de concentração não pode nos ajudar a dar qualquer resposta à perplexidade — por exemplo daquele garoto nunca identificado cuja face me assombra até hoje — apenas nos coloca bem ao lado dele para tentar acordar do sono que nos envenenou. Esta é a única homenagem possível à memória das vítimas do holocausto nazista.

No mundo todo escolas judaicas e não judaicas organizam anualmente viagens de estudantes para visitar este lugar. O “Holocaust Educational Trust” estimula e aceita qualquer pessoa que queira colaborar neste trabalho com doações ou trabalho voluntário. A ideia é que aqui no Brasil nasça uma iniciativa similar. Só há um objetivo geral:  estimular a tolerância e o convívio pacífico entre os povos. Fica a sugestão para aqueles que desejam colaborar subsidiando visitas de adolescentes ou adultos para esta viagem. Se há um objetivo específico? Sim, e só pode ser descoberto por cada um.