Impulsos que pairam

Impulsos que pairam

Paulo Rosenbaum

24 de setembro de 2013 | 09h44

 

O ódio como política


Alguém apresentou um interessante painel colorido referente à recente votação do STF sobre os Embargos Infringentes. Ele demonstrava graficamente a guerra de twiters entre os que eram a favor e contra a decisão da corte. O clima esquentou muito e se transformou numa batalha sem grande poesia. Logo as redes repercutiram: apareceram pessoas lamentando por que tanta celeuma? O que justifica a intensificação das hostilidades?

Denota bem o estado das coisas no País. A falência da crítica e a asfixia do diálogo. Atos impulsivos pairam sobre todos nós. Uma análise preliminar sobre os julgamentos instantâneos, é que a web não só permite, como convida, aguça e endossa o ímpeto para opinar. Uma hipótese a ser comprovada adiante é que a ação da escrita numa rede gigante, vale-tudo e interativa, excita o automatismo. Isso significa que a frente do teclado e diante de algum assunto no qual estamos levemente convictos, decidimos nos expressar na lata, explosivamente. Muitas vezes, vale dizer a maioria, abolindo uma análise autocrítica, deixando de esmiuçar a fonte de onde bebemos a informação. O resto vira detalhe: involuntariamente podemos estar caluniando, fazendo platéia para meias verdades ou só repassando más interpretações. 

No caso de um post, e-mail ou in box recém emitido, quando o tal exame autocritico chega, vem tardio. Ai, só mesmo o pedido de desculpas, o remorso ou o “que se dane”. Nesse caso é correr para mergulhar  nas brigas. Isso significa que as opiniões colocadas no ciberspace, via de regra, obedecem uma vontade quase instintiva, semi-irreflexiva. Não chega a ser fluxo de consciência, mas quase. Não é fortuito que as pessoas tenham brigado e se agredido mais online. Que as discordâncias instantâneas – que em outro contexto (num bar, ao vivo, ou numa conversa intima poderiam ser intercorrências sem importância) – passem a gerar cadeias de mal estar. É que o registro está lá, gravado, disponível aos inspetores da vida alheia. Aos olheiros espiões. A ofensa postada não se move. O verbo voa, a escrita permanece, já ensinava o adagio. A assistência de uma plateia – que se sente obrigada a repercutir — curtindo, rejeitado ou xingando, alonga a bolsa de torcida e ofensas.

A refutação impensada do contraditório simboliza a polarização. Alinhamentos automáticos são praticamente colocados na boca de quem rejeita ou apoia a decisão do STF. Nota-se alguma vantagem para quem transforma o palanque passional em demonização dos que denunciam as ações de governantes que apostam no desmantelamento das instituições e, portanto, na desmoralização do Estado. Resumindo,  a trama toda acaba numa tremenda generalização. Sem um pingo de paranoia, e reconhecendo que parte deste estranhamento faz parte do amadurecimento democrático, não se pode mais fechar os olhos aos que ganham com a radicalização das divisões sociais e lucram politicamente com a indução do antagonismo político. E a conspiração notável, acusar os outros de conspiradores obedece a sutileza de quem aprendeu a levar todo mundo no bico.

Vale também relembrar que é da natureza do poder e seus representantes conseguir espantosas reconciliações em prazos exíguos. Vimos recentemente inimigos históricos trocarem carinhos e apertos na bochecha. Comprovadamente, nós, que temos vísceras e estranhamos a frieza negocial, não desenvolvemos tais habilidades.

Nada justifica sacrificar relações às custas de efemérides que, colocadas em perspectiva, não são nada comparadas com a preservação das amizades. Mas pode-se também admitir que amigos que aceitam colocar em risco uma relação por um punhado de gente duvidosa, podem não mais corresponder às nossas expectativas. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.