O árbitro do sentido.

O árbitro do sentido.

Paulo Rosenbaum

07 Outubro 2018 | 09h09

O Partido do Sentido

Num belo dia estamos no limiar do que parece ser um equívoco, porém, reconsidere, poderia ser muito pior. Para além dos gags linguísticos e dos reducionismos que o senso comum tem nos pregado no horário de TV subsidiada, estamos observando uma repetição. Uma a mais.

Olhando pelo lado estritamente analítico, nunca fomos tão anacrônicos. Mas, ao mesmo tempo, estamos reagrupando informações para alterar o ritmo do tempo, do qual antes éramos apenas expectadores passivos. Estamos vivendo em uma dimensão que não controlamos bem. Ainda. Pode ser um enorme entanglement effect (efeito de entrelaçamento) em que nós afetamos e somos afetados tal qual as partículas de luz, mesmo separadas, sofrem efeitos similares. Mas também pode ser algum outro fenômeno, desconhecido. Um destes que ninguém diagnostica.

Nosso solo comum é, decerto, maior do que tudo que nos distancia. Para pensar no jantar deste domingo: enquanto a política esfacela relações, quem provoca a secessão e as dissidências, reina incólume. Ainda assim vingar-se não é a resposta: jamais chegaríamos ao primeiro culpado. Enquanto isso inocentes precisam ser protegidos.

Não importa mais de que lado do espectro ideológico as pessoas vivem. O vital subsiste na preservação de algum senso de justiça, e o império do justo não é, nunca foi, a guerra.

A priori, só a paz significa muito. Mesmo nos cantões e nos ringues onde todos vociferam promessas e ameaças é a vontade de sentido que merece ser preservada. É o olhar de cuidado com quem não conta com nada.

E nós? Contamos com o que? Que o Estado faça o que jamais conseguimos aplicar em nossas experiências individuais.? A urna é apenas um símbolo amorfo. O verdadeiro manual é interno e o resultado poderá ser enfim nos reconhecer como povo. Se hoje isso não é possível, o dia chegará. Inexorável. São as ações ordinárias que nos levariam a algum senso de unidade. Quem sabe a tolerância pudesse recomeçar com a autoconsciência despertada por eventos mínimos. E assim, aqueles que defendem o humanismo, os reformadores íntimos dos outros, não exercitariam sua fiscalização sobre os demais.

 

Não sabes do que estou a dizer?

 

Pois vamos de outro modo: vote por sentido. Vote, impiedosamente, mas vote. Vote em mediações. Vote por conciliações. Vote por você — estamos cercados, uns pelos outros. Vote contra a opressão. Vote numa justiça que antecede nomes. Vote sem culto à personalidade. Vote no que é claro e distinto. Vote na ciência que amplie a vida. Vote na tradição que tem lugar no mundo. E vote também no progresso que não destitua o que já foi compreendido. Vote na civilização. Vote considerando parâmetros mais altos daqueles que estão disponíveis. Aproveite e não vote neles, nem nos outros. Vote no convosco. Vote na transparência que comunica. Vote na presença. Vote nos sons que ainda estão por nascer. Vote na ninfa. Vote em quem irá te acompanhar. Vote no que é transição. Vote no fluxo de consciência. Vote e eleja hermenêuticas que protejam. Vote em minorias. Vote no interesse público. Vote contra o desvio de função. Vote por um e por todos. Vote rebaixando a aflição. Vote na urna que amplia teu alcance. Vote na verdade que paira sem saber se aterrissa. Vote contra o refrão. Vote sem levar em conta os slogans. Vote longe das manadas. Vote no interno. Vote para sufocar a mentira acumulada. Vote desconfiando de quem sofisma. Vote abstraindo o carisma. Vote abandonando a supremacia. Vote na intensidade da igualdade. Vote em equidade de oportunidades, nunca de resultados. Vote pelo rodízio de poder. Vote em cores primárias. Vote em estado de liberdade. Vote olhando para além das muralhas. Vote olhando as crianças. Vote enxugando as lágrimas. Vote esquecendo comandos. Vote para resgatar a cidadania. Vote dissolvendo boatos. Vote menosprezando pesquisas. Vote com a noção de processo. Vote sabendo que já é história. Vote como se fosses um juiz imparcial diante de um impasse centra. Vote sob a viseira do passado. Vote como se houvesse um futuro. Vote em um presente.

E se mesmo assim tudo parecer/estiver perdido, vote sabendo que você é o árbitro do sentido.