Seminário Internacional de Literatura Judaica Brasileira em Tel Aviv

Seminário Internacional de Literatura Judaica Brasileira em Tel Aviv

Paulo Rosenbaum

25 de agosto de 2020 | 23h11

 

Em mais uma notável iniciativa, e rompendo as amarras do vício em cancelar, o  Centro Cultural Brasileiro-Tel Aviv, órgão ligado à Embaixada do Brasil em Israel com o Núcleo de Estudos Judaicos da UFMG (Brasil) e apoio do Programa de Pós-Graduação em Letras da UFMG & do Department of Spanish and Latin American Studies at the Hebrew University – Jerusalém, criaram o “Seminário Internacional de Literatura Judaica Brasileira”.

O evento contou com a organização da Profa. Lyslei Nascimento (Pós-Lit/UFMG) & da Profa. Raquel Yehezkel (CCB-Tel Aviv), que juntas pensaram e cuidaram com carinho desta reunião, que tem por objetivo principal a divulgação de escritores judeus brasileiros e de suas obras em Israel.

Tanto o NEJ/UFMG (http://www.letras.ufmg.br/nucleos/nej/) quanto o CCB-Tel Aviv (https://centro-cultural-brasileiro-brazilian-cultural.business.site/) possuem programações e projetos voltados ao levantamento, ao estudo e à divulgação da excepcional — e paradoxalmente pouco divulgada — produção dos escritores judeus brasileiros. Para isso, no NEJ, além de seminários, palestras e cursos locais, criou-se um banco de dados disponível em seu site para consulta. No CCB-Tel Aviv, a série de eventos põe em relevo o variado e rico painel da cena cultural e artística brasileira para o público israelense, agora abrindo perspectivas para promover a internacionalização da literatura.

Este seminário, composto por uma conferência de abertura e outra de encerramento, vídeos com escritores lendo trechos de suas obras, pesquisadores analisando temas e obras, bem como uma oportunidade de interação com os participantes respondendo, a posteriori, a perguntas ou a comentários do público, pretende consolidar o esforço das duas entidades na promoção cultural a que se destinam.

Haverá uma “mesa redonda” formada pela professora de literatura Sandra Almada, a socióloga Lucia Barnea, a historiadora Debi Chaimovich, a professora Norma Rosenberg Cohen, com a mediação da diretora do CCB, Raquel Yehezkel, conduzindo um bate-papo sobre “Os Escritores” convidados para este Seminário.

Modalidade: programação on-line (com links para os vídeos a partir de 27 de agosto de 2020) e exibição presencial para convidados no CCB-Tel Aviv, observando-se as normas da quarentena. O Centro é parte integrante da Diplomacia do Itamarati e está ligado à Embaixada do Brasil em Israel.

 

Pode-se argumentar, com razão, que o modelo andava desgastado, mas nada deverá substituir uma feira literária com seus encontros — e desencontros — ao vivo. Porém, não deixa de ser interessante a proeza desta iniciativa de encontro virtual que conseguiu colher e reunir depoimentos de várias tendências da literatura judaica brasileira. Tendências, pois a diversidade que as organizadoras lograram conseguir não é somente de múltiplas filiações de estilos e gêneros literários, mas, também, a apresentação das heterogeneidades regionais com seus dialetos e particularidades linguísticas. Isso sem contar com o rigor e vigor dos pesquisadores que tem se dedicado a esmiuçar, bisbilhotar e jogar luz sobre o trabalho destes autores.

 

Esta feliz escolha de um duplo caminho hermenêutico — do autor ao pesquisador e vice-versa — só poderá ser interpretada como mais uma prova de que — apesar das barreiras da linguagem — a aproximação de povos sempre foi factível, assim como a urgência dos esforços para conquistar a interlocução.

 

Afinal, este seminário será também um teste de hipótese: mostrar que o Oriente Médio pode  sediar uma ponte distinta, na qual os trópicos já soam menos exóticos. É que perderam um pouco do terreno melancólico para uma prosa cada vez mais universal, sem prejuízo das idiossincrasias de cada texto.

O evento é gratuito e para quem desejar fazer a inscrição eis os links de acesso:

http://www.letras.ufmg.br/padrao_cms/?web=nej&lang=1&page=3522&menu=2274&tipo=1

CCB Tel Aviv: Centro Cultural da Embaixada do Brasil em Israel

https://www.facebook.com/events/314623206603844/

Segue a programação completa do evento com os devidos créditos:

Modalidade: programação on-line (com links para os vídeos a partir de 27/08/2020) e exibição presencial para convidados no CCB-Tel Aviv, observando-se as normas da quarentena.

Inscrição (ouvinte):

http://www.letras.ufmg.br/padrao_cms/?web=nej&lang=1&page=&menu=&tipo=3&event=129

Programação: os links estarão disponíveis a partir do dia 27/08/2020:

http://www.letras.ufmg.br/padrao_cms/?web=nej&lang=1&page=3522&menu=2274&tipo=1

 

Abertura: Raquel Yehezkel (CCB-Tel Aviv) e Lyslei Nascimento (NEJ/UFMG)

 

Conferência de abertura: “Leila Danziger ou a tarefa de ‘anarquivar’ os escombros da judeidade na diáspora”, com o Prof. Dr. Márcio Seligmann-Silva (UNICAMP)

 

Escritores convidados

 

  • Ana Cecília Carvalho (Belo Horizonte/MG)
  • Cíntia Moscovich (Porto Alegre/RS)
  • Fábio Weintraub (São Paulo/SP)
  • Leila Danziger (Rio de Janeiro/RJ)
  • Halina Grynberg (Rio de Janeiro/RJ)
  • Leonor Scliar-Cabral (Porto Alegre/RS)
  • Luana Chnaiderman (São Paulo/SP)
  • Noemi Jaffe (São Paulo/SP)
  • Paulo Rosenbaum (São Paulo/SP)
  • Ronaldo Wrobel (Rio de Janeiro/RJ)
  • Juliano Klevanskis (Belo Horizonte/MG)
  • Luís Sérgio Krausz (São Paulo/SP)

 

Palestras e palestrantes convidados

 

  1. Escritores sefarditas na Amazônia – Profa. Dra. Alessandra Conde da Silva (UFPA) – Resumo: Os escritores Sultana Levy Rosenblatt, Marcos Serruya, Leão Pacífico Esaguy e Paulo Jacob nasceram na Amazônia e, em suas obras, entretecem a tradição judaica com a rica cultura amazônica. Busco, nesta palestra, analisar em que consiste a inscrição judaica, tomando como análise: Uma grande mancha de sol, 1951, e Barracão, 1963, de Rosenblatt; Chuva branca, 1967, e Um pedaço de lua caía na mata, 1990, de Jacob; Contos amazonenses, 1981, e Enxuga as lágrimas e segue caminho que te determinaste, 1999, de Esaguy; e O cabalista, 2010, e Cabelos de fogo, 2010, de Serruya.
  2. O Tribunal do Santo Ofício nas óperas de Antônio José da Silva, O Judeu – Kenia Maria de Almeida Pereira (UFU) – Resumo: O dramaturgo luso-brasileiro Antônio José da Silva, mais conhecido pelo apelido, o Judeu, levou aos palcos de Lisboa oito peças cômicas, classificadas como óperas joco-sérias. Nelas, ele dialoga de forma paródica, ora com a mitologia grega, como, por exemplo, em Anfitrião ou Júpiter e Alcmena, Os Encantos de Medeia e Labirinto de Creta; ora com narrativas canônicas da Literatura Ocidental, como se lê em A vida do Grande Dom Quixote de La Mancha e do Gordo Sancho Pança. Vítima da Inquisição portuguesa do século 18, o Judeu, por meio de simbologias e metáforas, registrou em seus textos, os excessos do poder monárquico e eclesiástico, durante o reinado do Tribunal do Santo Ofício.
  3. Lições práticas do Manual de Judaísmo Carioca segundo Paulo Blank – Profa. Dra. Nancy Rozenchan (USP) – Resumo: O romance Mentch, a arte de criar um homem, 2016, de Paulo Blank, propõe-se a dar conta da formação do pequeno carioca Paulo em todas as virtudes e vicissitudes de ser judeu no Rio de Janeiro nos anos 1950, assim como as vivências típicas da cidade de então. Passível de ser abordado sob outras categorias, como romance da maturidade travestido de roupagem de Bildungroman ou como obra típica da cultura judaica, a apreciação do romance se presta a desentranhar aspectos do instigante universo judaico do Rio de Janeiro daquela época.
  4. Identidade e testemunho em – Relato de uma busca, de Bernardo Kucinski – Ricardo Augusto Garro (UFMG) – Resumo: O romance K. – Relato de uma busca, de Bernardo Kucinski, publicado em 2014, inicia-se com cartas recebidas pelo narrador direcionadas à sua irmã desaparecida durante a ditadura que governou o Brasil entre 1964 e 1985. Esse episódio resgata e põe em relevo uma memória dolorosa de perdas e irreparáveis danos. O desaparecimento, debitado pelo narrador à ação de agentes policiais ligados ao Estado, assume, desde o início, o tom trágico de um crime não redimido pela ação da Justiça, ao mesmo tempo em que articula o presente da narrativa à história recente do Brasil. Esta comunicação analisa a capacidade da ficção de reescrever, em alguma medida, a história, além disso, espero avaliar a conexão da biografia do escritor com narrador do romance.
  5. A comida e as dores da memória na obra de Halina Grynberg – Profa. Dra. Sandra Almada (UNIFOR/MG) – Resumo: Halina Grynberg, no romance Mameloshn: memória em carne viva, 2004, trata da dor imposta por lembranças e dos traumas que atravessam gerações passando, certamente, pela alimentação. Nesse relato, a narrativa transporta o leitor para memórias afetivas que antes inquietam que confortam. De forma semelhante, em O padeiro polonês, 2005, a escritora articula a memória sofrida à preparação da chalá o pão trançado, feito pelo pai da narradora. Percebe-se que a comida, nesses dois romances autobiográficos, possui uma linguagem temperada com lágrimas e múltiplas significações.
  6. O “estranho” na obra de Samuel Rawet – Prof. Dr. Saul Kirschbaum (USP) – Resumo: A partir da análise da novela Viagens de Ahasverus à terra alheia em busca de um passado que não existe porque é futuro e de um futuro que já passou porque sonhado, de Samuel Rawet, publicada em 1970, esta comunicação abordará a forma com que o escritor – nas palavras de Gilles Deleuze e Felix Guattari, que cunharam a expressão “literatura menor” – representa, em seus escritos, a população hegemônica. Noutras palavras, como a minoria é representada na obra de Rawet. Dessa forma, procuro entender a radicalidade do próprio estranhamento vivenciado por grupos minoritários, em sua manifestação literária.

 

Comunicações

 

  1. Vidas e memórias entrelaçadas em As águas do mesmo rio, Giselda Leirner – Ana Cláudia Rufino: (Graduada em Letras da FALE/UFMG) – Resumo: A Shoah marca de forma permanente os judeus e seus descendentes. Suas histórias que atravessaram rios e oceanos, também estão presentes na literatura brasileira. Giselda Leirner cria em Nas águas do mesmo rio, publicado em 2005, um relato em vários níveis, com as histórias impactantes de três mulheres marcadas pela catástrofe. Imagens de um passado traumático são, assim, revisitadas em um presente conturbado, e o destino dessas personagens convida o leitor a refletir sobre transformações, desejadas e possíveis.
  2. Memórias indecifráveis em Írizs: as Orquídeas, de Noemi Jaffe – André de Souza Pinto (Doutorando em Letras do Pós-Lit/UFMG) – Resumo: No romance Írisz: as orquídeas, de Noemi Jaffe, publicado em 2015, uma imigrante húngara que se muda para o Brasil, abandonando, nesse movimento, sua terra natal, sua mãe e um companheiro. Em São Paulo, no Jardim Botânico, a narradora dedica-se ao estudo das orquídeas, flores que serão metáfora dessa personagem flutuante e exilada, cujas raízes aéreas e parasitárias caracterizam o seu caráter errático. Além disso, aliado à mutabilidade da protagonista, que evita enraizar-se nos lugares, o seu estudo sobre as orquídeas traduz uma análise da língua, um traço que parece marcar a narrativa de Írisz. Desse modo, esta comunicação analisará, a partir das orquídeas, a ficcionalização de uma história familiar e a elaboração de memórias fragmentadas, dispersas e indecifráveis.
  3. Ser judeu e estar no Brasil no século 20 em Moacyr Scliar e Clarice Lispector – Debi Chaimovitch-Yehoshafat (Mestre em Letras pela Universidade Ben Gurión) – Resumo: Na primeira metade do século 20, o Brasil recebeu imigrantes, oriundos dos mais variados países, o que, sem dúvida, marcou o desenvolvimento de sua sociedade e de sua cultura. No primeiro momento, o imigrante, e sua bagagem cultural, ainda conservou seus costumes tentando, ao mesmo tempo, adaptar-se à nova sociedade. Entre os imigrantes que chegaram ao Brasil, encontram- se os judeus provindos da Europa e Oriente Médio. Muitas vezes, a imigração é sinônimo de deslocamento, deixar um lugar e não pertencer a lugar nenhum. Esse sentimento está expresso em A guerra do Bom Fim, de 1972, de Moacyr Scliar, e em A hora da estrela, publicado em 1977, por Clarice Lispector. Esta comunicação estudará essa condição imigratório nos dois romances, considerando que o processo de imigração inclui etapas de adaptação, integração e assimilação.
  4. O cotidiano, o corriqueiro e o efêmero nos contos de Cíntia Moscovich em Essa coisa brilhante que é a chuva – Filipe Menezes (Doutorando em Letras do Pós-Lit/UFMG) – Resumo: Sempre renovada e brilhante, a obra de Cíntia Moscovich apresenta o cotidiano, o corriqueiro e o efêmero em suas, aparentemente, simples narrativas. Na coletânea de contos Essa coisa brilhante que é a chuva, 2012, a escritora compila pequenas histórias, reúne narrativas que se entrelaçam e colocam o leitor diante de um mundo, às vezes, curioso ou cruelmente descrito em sua singeleza.
  5. O alfabeto poético de Leonor Scliar-Cabral e Noemi Jaffe – Késia Oliveira (Doutoranda em Letras do Pós-Lit/UFMG) – Resumo: De Sagração do alfabeto, 2009, de Leonor Scliar-Cabral, a A verdadeira história do alfabeto e alguns verbetes de um dicionário, 2012, de Noemi Jaffe, a letra constitui um acervo de possibilidades poéticas e narrativas. Ao conceberem a letra como uma unidade mínima de sentido, as escritoras se inscrevem numa tradição de autores que veem no micro, as grandezas do múltiplo. Scliar-Cabral extrai do alfabeto hebraico inúmeras reverberações líricas, transformando letra em poesia, escandindo o sentido do único ao ampliar as conotações das letras. Jaffe, por sua vez, em prosa, redefine o significado da noção de história ao propor para cada letra do alfabeto latino uma inusitada linearidade. no contexto das textualidades judaicas contemporâneas.
  6. A guerra em surdina de Boris Schnaiderman: entre memória e ficção – Katryn de Souza (Graduanda da FALE/UFMG) – Resumo: Em Guerra em surdina: histórias do Brasil na Segunda Guerra Mundial, publicado em 1964, Boris Schnaiderman é, o que poderíamos chamar de um intérprete de si e de mais de 20 mil homens da Força Expedicionária Brasileira (FEB) que, assim como ele, foram convocados em 1944 para lutar, no conflito, ao lado dos aliados. A partir do que vivenciou como pracinha numa Itália destruída, o escritor constrói uma narrativa entre o relato factual e a ficção.
  7. A presença de midrashim em crônicas de Natal de Clarice Lispector – Laís Maria Rosal Botler (Doutoranda em Estudos Latino-Americanos na Universidade Hebraica de Jerusalém e Rodrigo Baumworcel (Mestrando em Educação Judaica na Universidade Hebraica de Jerusalém) – Resumo: O judaísmo nunca aparece de maneira explícita na literatura de Clarice Lispector. No entanto, como demonstram Gilda Szklo (1989), Nelson Vieira (1989) e Berta Waldman (2011; 2014), a influência judaica pode ser percebida de diferentes formas na escrita de Clarice. Neste trabalho, analisaremos a presença de midrashim na representação do Natal nas crônicas “Anunciação”, “A virgem em todas as mulheres”, “Ele seria alegre” e “A humildade de São José”.
  8. Moacyr Scliar: Fazedor de Golems – Márcio Pereira (Mestre em Letras pelo Pós-Lit/UFMG) – Resumo: O judaísmo e a tradição judaica, a revisão histórica, o discurso da ciência, as Escrituras, a memória e a identidade latino-americana, são algumas das linhas temáticas que conformam trama e novelo da obra multifacetada de Moacyr Scliar. A integração de todos esses discursos no jogo infinito da ficção revela a sofisticada teia literária tecida pelo escritor. Não seria diferente quando o autor lida com um mito tão cheio de nuances, como o Golem. Esta comunicação analisará a retomada desse mito, explicitamente, em dois livros de Scliar. De forma literal no romance Cenas da vida minúscula, publicado em 2003, e, obliquamente, em Manual da paixão solitária, de 2008.

 

Conferência de encerramento: “O direito ao corpo nos romances de Bernardo Kucinski e Julián Fuks”, com a Profa. Dra. Maria Zilda Ferreira Cury (Pós-Lit/UFMG)

 

Encerramento: Lyslei Nascimento & Raquel Yehezkel

 

Realização e Apoio

APOIO PÓS-LIT/CAPES/PROEX

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: