Talvez não fosse uma má ideia imaginar que nossos olhos se cruzassem dentro de um livro.

Talvez não fosse uma má ideia imaginar que nossos olhos se cruzassem dentro de um livro.

Paulo Rosenbaum

30 de maio de 2021 | 11h45

 

TALVEZ NÃO FOSSE MÁ IDEIA IMAGINAR QUE NOSSOS OLHOS SE CRUZASSEM DENTRO DE UM LIVRO*

Talvez não fosse má ideia imaginar que nossos olhos se cruzassem num livro

Talvez tudo não estivesse assim se tua sombra estivesse alerta ao zênite

Talvez nossos sonhos fossem suposições sobre o que é mundo

Talvez o mundo não estivesse crepuscular se nos incensássemos

Talvez nosso aturdimento fosse descartado se nossos olhos fossem letras

Talvez a leitura fosse automática se os poros fossem papéis

Talvez o império de convenções ruísse se falasses

Talvez fôssemos de outro mundo se a realidade jorrasse

Talvez nossa sede fosse genial se ocupássemos desertos

Talvez a Amazônia sobrevivesse se a floresta parasse

Talvez não pairássemos sobre outros se fôssemos íntimos

Talvez tua boca estivesse sobre mim se não fosses loquaz

Talvez o esférico não te atordoasse se fosses pleno

  • Poema publicado no livro “A Pele que nos Divide”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.