Instagram é muito mais do que fotos

Silvia Feola

28 Outubro 2015 | 11h49

Instagram é muito mais do que um aplicativo de compartilhamento de fotos.

É um tipo de rede social bem diferente do Twitter ou Facebook.

Ao contrário do Facebook, que seleciona pelo usuário quais publicações aparecerá na sua timeline, quem faz a seleção é você, e isso já muda muita coisa.

Todos os usuários que “seguem” e são “seguidos” ganham com isso. É bem verdade que a expressão “seguir” é um pouco desajeitada; é uma representação um pouco esdrúxula de um tipo de relação social, que pode soar um pouco infantil ou pedante.

Mas o fato de que o Instagram permite que você visualize tudo o que escolheu dá a possibilidade de o aplicativo ser uma plataforma efetiva de divulgação de novas ideias e projetos independentes, sociais ou comerciais, além de garantir o conhecimento de certas notícias de modo tão rápido quanto o Twitter o faz.

As propostas vão desde paisagismo, visagismo, mil artigos manufaturados, consultorias de estilo, projetos de economia e comércio sustentável, como troca de artigos, bares, restaurantes com menu do dia, etc.

E a grande maioria deles inclui o contato do Whatsapp, caso você se interesse e queira se comunicar com os responsáveis pelas páginas, o que mostra o fim iminente do telefone fixo.

Com tudo isso, o Instagram permite um novo modo de se relacionar com a cidade (com todas as cidades), descobrindo coisas escondidas e projetos coletivos que dificilmente sairiam do boca-a-boca.

Pena que dá LER.