O público de Bernie Sanders

O público de Bernie Sanders

Silvia Feola

13 Outubro 2015 | 08h07

foto

 

O debate de hoje das primárias do Partido Democrata norte-americano é a chance de consolidar um nome em ascensão: Bernie Sanders.

O senador independente de Vermont, quase na divisa com o Canadá, é o único até o momento – pelo menos enquanto Joe Biden não decide se irá entrar na disputa pela Casa Branca – que pode verdadeiramente abalar a candidatura de Hillary Clinton.

Se Sanders não parece muito atraente aos olhos do partido, no que diz respeito ao público jovem, a coisa é bem diferente.

Quando Hillary Clinton lançou sua candidatura, ela teve apelo entre os mais novos pelo fato de ser uma mulher defensora de ideias progressistas sobre temas como o aborto, o casamento entre pessoas do mesmo sexo, e a igualdade salarial de gênero.

Mas Bernie Sanders conseguiu ir além.

Enquanto Hillary ainda luta para conquistar a ideia de que compreende a vida da classe média norte-americana, Bernie parece nunca ter estado em outro lugar.

E, num certo sentido, isso é verdade. Sanders mantém convicções progressistas há décadas, e nos últimos anos tem focado seus esforços no dia-a-dia do norte-americano médio.

Seu discurso coloca como principal problema a distribuição desigual de riquezas. Para resolver isso, propõe legislações mais duras contra bancos que se consideram “grandes demais para quebrar” e uma taxação de impostos maior para os 2% mais ricos da população, como modo de aliviar os que ganham menos.

Também é árduo defensor de uma reforma do sistema criminal de justiça, que faz dos EUA o país com a maior população carcerária do mundo, na qual a grande maioria são negros.

A crise de 2008 fez com que a juventude dos “países ricos” contrastasse as perspectivas de futuro que o sistema vendia para a classe média com a dura realidade que estava à frente.

É esse o público a quem Bernie Sanders fala. Com o slogan

A Political Revolution is Coming. Not for sale*, o senador tem sido bem rapidamente acolhido como um representante da esquerda jovem e liberal, as pessoas que construíram coletivamente o movimento Occupy.

Sua campanha foi capaz de arrecadar em 5 meses US$ 1 milhão de dólares apenas de doações individuais online. De acordo com o Wall Street Journal, Sanders conseguiu atingir essa quantia em contribuições individuais em bem menos tempo que a campanha de 2008 de Barack Obama, também marcada por uma forte expectativa de mudança.

 

 

* Em tradução livre, Uma revolução política está chegando. E não está à venda.