A viagem não acaba nunca

A viagem não acaba nunca

Edmundo Leite

05 de março de 2010 | 08h05

“… A viagem não acaba nunca. Só os viajantes acabam. E mesmo estes podem prolongar-se em memória, em lembrança, em narrativa. Quando o viajante se sentou na areia da praia e disse: ‘Não há mais que ver’, sabia que não era assim. O fim duma viagem é apenas o começo doutra. É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na Primavera o que se vira no Verão, ver de dia o que se viu de noite, com sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava. É preciso voltar aos passos que foram dados, para os repetir, e para traçar caminhos novos ao lado deles. É preciso recomeçar a viagem. Sempre. O viajante volta já.”

José Saramago, em Viagem a Portugal

Escritas para finalizar o livro que conta a jornada do escritor português por quase todo o seu país, as palavras acima são um estímulo  aos viajantes de qualquer lugar do mundo.

Sempre lembro delas  quando estou no Google Maps. Para quem gosta de viajar, o site de mapas é muito mais que um localizador de ruas. Pode se tornar uma nova viagem.  Basta arrastar o mouse e uns cliques para voltar a lugares visitados ou conhecer novos.

Com esse post, o tópico “lugares” do blog começa uma nova fase. Lugares visitados, não visitados, sonhados, indicados, relevantes e irrelevantes serão apresentados com link, sempre que possível,  para a vista da rua do site do Google. Dicas e sugestões também são bem-vindas.

Claro que nunca será a mesma coisa que conhecer o lugar de verdade. Mas não deixa de ser uma viagem. Como um cartão postal onde se pode navegar pelos arredores da paisagem. Como nessas quatro selecionadas de Lisboa, cidade que já está toda “andável” no Google Street View.

Aqueduto das Águas Livres

Clique nas imagens para andar pelos arredores

Leia mais sobre o aqueduto: Museu da Água

Alcântara

Rua Vieira da Silva

Rua dos Bacalhoeiros

Vista da Casa dos Bicos

se_lisboa

Todo brasileiro deveria ir a Portugal um dia.  Se não puder, o livro de Saramago pode ser um bom substituto da viagem.  Infelizmente, a edição brasileira da Companhia das Letras foi reduzida somente aos textos e  não traz  as fotos  da edição portuguesa, um daqueles livraços bom de folhear mesmo que não se leia.

Viagem a Portugal:

Buscapé | Estante Virtual | Mercado Livre | Amazon |

Edição portuguesa |

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: