Às vésperas do terceiro jogo na Copa, seleção treina o “bê-á-bá”

Edmundo Leite

11 de junho de 2002 | 21h49

(Texto originalmente publicado no Estadao.com.br em 11 de junho de 2002)

Edmundo Leite

Ulsan – A cobrança sobre os erros de passes e finalizações da seleção brasileira tem sido uma constante para o técnico Luiz Felipe Scolari. O treinador chega até se irritar com as críticas, que considera injustas. Mas não é por isso que deixa de cuidar desse assunto delicado para o time.

Nos treinos desta segunda-feira – os primeiros visando o jogo contra a Costa Rica – Scolari dedicou a maior parte do tempo a esses dois fundamentos. E ainda aproveitou para testar uma possível formação diferente para o último jogo nesta fase, poupando três titulares.

Na parte da manhã, quando chegou a preservar cinco jogadores (Ronaldo, Rivaldo, Roberto Carlos, Roque Júnior e Cafu ficaram fazendo musculação no ginásio do hotel), os passes curtos e rápidos foram a prioridade do treinador. Felipão tem dito que os jogadores precisam se aprimorar mais nesse fundamento para adquirir confiança e errar menos nos passes longos. O trabalho, no sistema de “dois toques”, acabou tendo uma baixa além dos quatro poupados: o volante Kléberson, que teve um entorse no tornozelo direito e deixou o gramado. O tratamento, com gelo e antiinflamatório, foi iniciado nos degraus que servem de arquibancada ao lado do campo.

O médico José Luiz Runco afirmou que a contusão não era grave e que poderia preservar o jogador no treino da tarde, o que acabou acontecendo. Ele acredita, porém, que o Kleberson poderá treinar normalmente nesta terça.

Roberto Carlos, que vinha reclamando de dores na panturrilha da perna esquerda, também não foi e ficou em tratamento. Runco afirmou que o jogador do Real Madrid está sentindo o problema por causa do grande número de jogos que disputou esse ano e que o “bom-senso” pedia que ele fosse preservado.

Se será poupado também na partida, diz, a decisão será de Luiz Felipe Scolari. O técnico não falou nada, mas sinalizou que pode poupar o jogador, testando uma formação titular com o Júnior no lugar de Roberto Carlos, Edmílson no de Roque Júnior e Ricardinho substituindo Ronaldinho Gaúcho. A opção foi testada com o time utilizando metade do campo, mas sem os reservas, que ficaram do outro lado repetindo finalizações, como adversários.

Antes de experimentar as substituições, Scolari havia colocado todos os jogadores para treinar chutes a gol, com ênfase nas bolas cruzadas das laterais. Com o penúltimo dia antes do terceiro jogo do Brasil na Copa do Mundo dedicado aos fundamentos básicos do futebol, resta agora apenas um período de treinos, nesta terça, para definir o time, além do reconhecimento no estádio, na véspera do jogo de quarta-feira.

Tendências: