BB King tocando sem parar

BB King tocando sem parar

Edmundo Leite

18 de março de 2010 | 13h11

bbking

Hoje tem BB King a R$ 950 no Bourbon Street. Ainda há ingressos disponíveis. Para os shows do  fim de semana  na (ou no?) Via Funchal, a R$ 200 a R$ 600, li que os bilhetes estão esgotados. Nas apresentações no Rio, BB King esbanjou bom humor.

Para quem tiver tempo e dinheiro, há um opção que pode sair mais vantajosa: assistir ao mestre do blues e ainda passear por Buenos Aires. Por causa da desvalorização da moeda argentina em relação ao real, o ingresso mais caro lá sairá por  um pouco mais que o ticket mais barato daqui. De acordo com a cotação levantada em uma casa de câmbio aleatória ($ 0,54 + 0,38% de IOF), os 495 pesos de um ingresso na platéia VIP  de lá equivalem a cerca de R$ 270.

bbking_buenoaires

Lá, o show será no Luna Park, um ginásio que fica bem no centro da capital, pertinho da Praça de Maio e da Casa Rosada, sede do governo, e outros pontos turísticos. Os shows acontecerão  na quarta e quinta-feira da semana que vem  (24 e 25/3).  Pesquisando, ainda dá tempo de achar algum pacote promocional que faça a viagem valer a pena.

Deixando a questão do preço dos ingressos, assunto  já discutido na estreia  do blog, os shows de BB King trouxeram à lembrança a extinta banda Brylho.

Formada por Claudio Zoli (guitarra e voz), Arnaldo Brandão (contrabaixo e voz), Paulo Zadanowski (guitarra) e Robério Rafael (bateria), a banda é responsável por um clássico dos anos 80, o hit “Noite do Prazer”.  Aquela que começa com “A noite vai ser boa, de tudo vai rolar…” e tem o ápice com a citação ao guitarrista americano “…na madrugada a vitrola rolando um blues, tocando BB King sem parar…”

Brylho

Clique na imagem para escutar "Noite do Prazer"

Num dos mais famosos casos de “virumdum”, o nome do mestre do blues sumiu quando a música caiu na boca do povo, que cantava  “trocando de biquini sem parar…” Mesmo quem sabia cantar certo, costumava cantar a versão nonsense para fazer graça. Mas tinha gente que, até mesmo repetindo a canção várias vezes no gravador,  não conseguia de maneira alguma ouvir o nome do blueseiro.

Independente do gracejo, a música é sensacional. Dançante, sacana, insinuante e  hedonista.  Foi o único sucesso do grupo que ficou, mas o  disco de 1983, relançado em CD remasterizado na série Arquivos Warner e ainda encontrável por aí, tem outras músicas ótimas, como “Pé de Guerra”,   “171”, além das divertidas “Cheque sem fundos” e “Jane e Julia”.

Postado ouvindo Brylho sem parar.

# Discos do Brylho no Mercado Livre

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: