AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Empresários abrirão restaurante brasileiro em Ulsan

Edmundo Leite

29 de maio de 2002 | 20h56

(Texto originalmente publicado no Estadao.com.br em 29 de maio de 2002)

Edmundo Leite


Ulsan, Coréia do Sul – Um grupo de empresários brasileiros que mora no Japão resolveu aproveitar a Copa do Mundo e a presença da seleção na Coréia para ampliar seus negócios. Nos próximos dias, eles prometem inaugurar em Ulsan, pertinho do hotel onde a o time de Felipão está hospedado, um restaurante de comida brasileira.


Segundo Marcelo Tomizo Tsujita, que está à frente do empreendimento junto com um empresário coreano, os equipamentos para o restaurante foram especialmente fabricados no Japão e chegam a Coréia antes do início da Copa do Mundo. “Mandamos fazer uma churrasqueira e uma televisão de cachorro”, disse, referindo-se à tradicional máquina de assar frango que existe no Brasil.


O restaurante, que se chamará Boi Vermelho e será o segundo de comida brasileira na Coréia, ocupará o lugar de um antigo especializado em comida japonesa e, segundo os donos, terá capacidade para 150 pessoas. “A intenção era que ficasse pronto antes da chegada da seleção, mas tivemos problemas na fabricação dos equipamentos”, conta Marcelo, que tará a ajuda de outros oito brasileiros que moram no Japão e vieram para Ulsan.


Como o nome sugere, a especialidade da casa será o churrasco. E o trivial brasileiro, arroz, feijão e salada. Feijoada, no entanto, não haverá, por causa da dificuldade de importar feijão preto. O público alvo num primeiro momento são os brasileiros que estão na cidade para assistir ou trabalhar na Copa, mas não estão dispostos a encarar a diferente e apimentada comida coreana.


O objetivo principal, no entanto, é tentar conquistar os coreanos. “Vamos testar por dois meses após o encerramento da Copa. A partir daí veremos se continuamos ou não”. O investimento no restaurante, segundo Marcelo, foi de cerca de US$ 60 mil, que os donos acreditam poder ao menos recuperar se o negócio não vingar após o Mundial.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: