Futebol, onde o trabalhador ganha o que merece

Futebol, onde o trabalhador ganha o que merece

Edmundo Leite

03 Agosto 2017 | 20h42

Com a compra do Neymar pelo Paris Saint-Germain recomeçou o velho papo de que jogadores de futebol não deveriam ganhar tanto dinheiro. Chegam a falar que deveria haver um limite para os salários. Quem defende esse tipo de coisa deve achar bonito pagar maus salários a funcionários, não dar comissão e bônus por resultados, metas e objetivos alcançados e defender que trabalhadores brilhantes não devam ganhar mais que os coadjuvantes.

Os grandes clubes de futebol e de outros esportes ganham bilhões com venda de ingressos, transmissão de tevê, publicidade, patrocínios, licenciamento de produtos, merchandising e nada mais justo que os seus elencos de jogadores  – os trabalhadores do futebol – sejam remunerados de acordo com isso. A prática deveria ser estendida aos trabalhadores de todos os setores.

 

👕 #NeymarJR10 🇧🇷 #BemvindoNeymarJR

A post shared by Paris Saint-Germain (@psg) on

Mais conteúdo sobre:

NeymarParis Saint-Germain