Jerry Lee Lewis convida para seu aniversário de 85 anos

Jerry Lee Lewis convida para seu aniversário de 85 anos

Edmundo Leite

27 de outubro de 2020 | 17h57

O último dos deuses – ou dos demônios – criadores do rock postou em seu Instagram um convite para a festa de seu aniversário de 85 anos, recém-completados em 29 de setembro. A comemoração de Jerry Lee Lewis será uma live hoje à noite,  às 21 horas de Brasília, com a presença de amigos e devotos ilustres do ‘The Killer’ (o matador ou assassino), ou o ‘Último Homem em Pé‘, como se autointitula o pianista que elevou a temperatura do ritmo a ponto de ebulição, mas que também podia exalar doçura em canções country.

A live, a partir do site oficial, do You Tube e das redes sociais de Jerry, contará com a companhia de um time que inclui um beatle e um stone, Ringo Starr e Keith Richard, além de Elton John, Willie Nelson, John Fogerty, Joe Walsh, Kris Kristofferson, a filha do Rei, Priscila Presley, e o ex-presidente americano Bill Clinton.

Com as recentes ausências de Chuck Berry e Litlle Richard do solo terrestre, e Jerry surpreendentemente recuperando-se de mais um percalço de saúde, é a oportunidade de homenagear em vida um gigante de tempos imemoriais.

Os epítetos adotados pelo artista poderiam ser só mais um exagero de marketing, mas as merdas, presepadas e crimes que ele cometeu ao longo da vida além da música mostram que se alguém nesse mundo pode ostentar esses e outros títulos ignóbeis esse alguém é Jerry Lee Lewis. Ele é o animal mais feroz que já nasceu, mas agora é um vovô celebrando sua sobrevivência, obra, feitos e legado.

Além dos inúmeros vídeos no Youtube, para entender quem é Jerry Lee Lewis uma boa pedida é o livro Criaturas Flamejantes, de Nick Tosches, lançado há alguns anos aqui no Brasil com uma tradução bem legal do jornalista e agitador cultural Alexandre Matias.

“Acreditem: Jerry Lee Lewis é uma criatura de essência mítica, um Set, um Dionísio batista em chamas de covardia gloriosa e culpa autodestrutiva. Ele era – e de certa forma ainda é – o coração do rock’n’roll caipira e um dos maiores cantores de country que já viveram. Podem falar dos depravados do rock-and-roll: Jerry Lee faz todo eles pareceram o Wayne Newton. Podem falar dos heróis do honky-tonk: perto de Jerry Lee, eles são um bando de vomitadores em festas de repúblicas universitárias. “Quando nasci, meus pés saíram na frente e eu chacoalho desde então”, ele lhe dirá se estiver de bom humor. Seus servos e parentes dirão mais: Jerry Lee bebe mais, atira mais e fode mais do que qualquer homem vivo. Ele é o último americano selvagem, homo agrestis americanus ultimus. “É só não chegar muito perto dele que você não se machuca”, disse Waylon Jennings. De qualquer forma, ele é um lorde do excesso. “Eu já o vi comer quatro bifes e comer novamente duas horas depois”, disse sua irmã Linda Gail.” [Trecho do livro Criaturas Flamejantes]

Leia também:
>> O fascínio da música pop pelo fogo

Tudo o que sabemos sobre:

Jerry Lee LewisMúsicarock