Novo corte de Ronaldo rouba a cena em treino

Novo corte de Ronaldo rouba a cena em treino

Edmundo Leite

25 de junho de 2002 | 23h02

Ronaldo vira seu próprio cabeleireiro

(Texto originalmente publicado no Estadao.com.br em 25 de junho de 2002)

Edmundo Leite


ronaldo_cabelo Saitama – O atacante Ronaldo já era o centro das atenções no treino desta segunda-feira no estádio de Saitama por causa do problema muscular que colocou em dúvida a sua participação no jogo semifinal contra a Turquia. Havia grande expectativa para saber se o jogador treinaria ou não, o que seria um indicador das chances de ele atuar na partida decisiva de quarta-feira. Mas quando entrou em campo, acabou atraindo a curiosidade de todos por causa de um inusitado corte de cabelo. Um dos precursores da careca entre os jogadores de futebol, o atleta da Inter de Milão desta vez raspou a cabeça, mas deixou um arco na parte de frente.


A novidade, contou o jogador, não foi feita por nenhum cabeleireiro ou colega, como costuma acontecer várias vezes na seleção. Foi obra dele mesmo. “É uma coisa nova, tentei mudar um pouco. Eu mesmo cortei”, disse. Segundo ele, o corte não foi inspirado em ninguém, tampouco foi fruto de alguma aposta ou promessa.


Dois jogadores de outras seleções já haviam feito algo parecido, mas com resultado um ligeiramente melhor: o meia turco Umit Davala e o atacante americano Clint Mathis, ambos com cortes ao estilo moicano, com uma faixa de cabelo no meio da cabeça e as laterais raspadas.


Ronaldo não comentou se pretende continuar com o corte mostrado no treino desta segunda ou se raspará tudo nos próximos dias. Mas na zona mista, local onde os jogadores dão entrevistas no estádio e por onde passou rapidamente, o jogador não quis exibir o corte inovador e preferiu ficar de boné, apesar da insistência dos repórteres para que mostrasse a inovação estética.


Se foi econômico nos comentários sobre o cabelo, Ronaldo também não quis se alongar muito sobre a sua condição física, mesmo dizendo-se otimista com a possibilidade de jogar contra os turcos. “Hoje não foi o dia mais importante. Vamos ver amanhã”. O fato de não ter se movimentado muito no treino e de ter participado apenas de uma parte do coletivo, segundo ele, não é motivo de preocupação. “Não tenho limitação de movimentos. Foi só mesmo para descansar”.

Tendências: