O case publicitário de Kassab

O case publicitário de Kassab

Edmundo Leite

24 de fevereiro de 2010 | 23h54

Não entendo de publicidade.  Mesmo assim, arrisco  dizer que a  imagem do prefeito paulistano Gilberto Kassab  no intervalo comercial do horário nobre da TV  agora de noite para justificar as enchentes em São Paulo pode  entrar para a história da propaganda.  Só estou na dúvida se será um case para usar um jargão do ramo – de  sucesso ou de fracasso.

Para quem não viu (e como o  vídeo ainda não foi parar no YouTube), aqui vai uma breve descrição :

Fantasiado Vestido com uma capa de chuva amarela e tentando dar um tom informal à justificativa,  o prefeito  relata ações da prefeitura contras as enchentes enquanto as imagens mostram piscinões, bonitos córregos canalizados e limpeza de bueiros.

A coisa  vai indo nessa toada até que em determinado momento o prefeito chama as tempestades de dilúvio e diz que, mesmo com tudo o que foi feito, não há cidade que aguente tamanha quantidade de água.

Além de destacar essa  força descomunal da natureza, a propaganda  mostra  imagens de entulhos sendo retirados pelos caminhões  – no final aparece um sofá – para reforçar a mensagem de que a culpa pelas enchentes não é da prefeitura.

Se a mensagem surtir efeito,  será um case publicitário de sucesso e os marqueteiros da prefeitura poderão  comemorar. Mas como disse, estou na dúvida: será que  conseguiram passar a mensagem pretendida?

Provavelmente o prefeito não esteja errado ao dizer que a força dessas chuvas recentes seja atípica. Mas será que as pessoas que não manjam  de publicidade e seus meandros, como eu, podem  não entender direito a mensagem   e ficarem um pouquinho indignadas?

Não haverá  o risco de – tomados pela emoção das lembranças de não poderem  chegar ao trabalho, da casa alagada ou de um parente  levado por uma enxurrada ou deslizamento –  os telespectadores acharem que soa como escárnio o prefeito ir à televisão dizer o que foi dito  da maneira  que foi dito, e ainda com dinheiro pago pelos contribuintes?

Será preciso muitas horas de  pesquisa qualitativa para se chegar a uma conclusão sobre o resultado da peça publicitária, mas de minha parte posso dizer o que ficou na minha cabeça: o Kassab  de capa de chuva amarela.

kassab_chuva_capamarela

Me lembrei do famoso desenho do Pica-Pau nas cataratas de Niagara. Aquele em que os turistas de  capa  amarela  erguem os braços  e urram  toda vez que  o guarda atormentado pelo Pica-Pau despenca pelas cataratas num barril de madeira.

Nesse caso, os marqueteiros poderiam até comemorar, pois a propaganda do prefeito me fez ter uma boa lembrança, através da associação da capa amarela.

Mas a imagem das forças das águas de Niagara também me fizeram voltar à realidade: se no desenho o pobre guarda sobrevive às inúmeras descidas de barril na gigantesca queda,  aqui as pessoas morrem afogadas em pequenos córregos esquecidos pela prefeitura, galerias sem tampas no meio da rua e outros buracos para onde são tragadas sem chance de se salvar.

picapauniagara

Na época em que tinha tempo para esses e outros passatempos,  tinha um vizinho  que alternava um deslumbramento de não piscar os olhos quando assistia TV   com uma crueldade sem igual nos comentários realistas na conversa  da molecada sobre  desenhos, filmes e  comerciais: “isso não é de verdade. Que farsa!”, dizia. Parece que tinha razão.

Kassab ignorou enchentes na campanha eleitoral

Limpeza de córregos é nula em 13 subprefeituras de SP

Kassab gastará 5 vezes mais com publicidade do que com área de risco

Tendências: