O destino das latinhas da Virada

O destino das latinhas da Virada

Edmundo Leite

17 Abril 2011 | 04h25

Já faz tempo que a reciclagem de latinhas de alumínios virou uma marca brasileira. No dia a dia das cidades é comum ver gente à procura das embalagens metálicas descartadas para garantir alguma renda extra ou então a única renda possível. Em grandes eventos, quando a venda de bebidas atrai um grande  número de vendedores ambulantes, aumenta também o exército dos que vão atrás das latinhas de cerveja e refrigerantes.  A coisa está tão estruturada que na Virada Cultural, em São Paulo,  recicladores montaram um posto móvel no coração do evento para a compra de latinhas.

Foto: Juliana Tourrucôo

A Juliana, que fez a foto, foi quem chamou a atenção para a caminhonete com três sacos gigantes cheios de latinhas amassadas ali na Conselheiro Nébias, pertinho da famosa esquina da Ipiranga com a São João.  Numa caminhonete menor ao lado,  dois rapazes tinham  uma pequena estrutura com balança eletrônica montada para pesar o material e calcular quanto pagar para o catador. Um outro saco gigante já estava quase cheio. E só tinha passado pouco mais de seis das 24 horas de Virada. Belo exemplo de empreendedorismo.