‘Pato de borracha’ liderou o melhor protesto de caminhoneiros: Comboio

Edmundo Leite

28 Maio 2018 | 14h23

Caminhoneiros revoltados ganham apoio da população, chamam a atenção da imprensa, infernizam a polícia e assustam os governantes. Mas em vez de ficar parados, rodam e correm adoidado pelas estradas furando bloqueios policiais com suas máquinas possantes cheias de cargas de todos os tipos.

Estrelado por Kris Kristofferson, Ali MacGraw e o mito Ernest Borgnine no papel do xerife que persegue os motoristas de caminhão, ‘Comboio’ é o filme de caminhoneiro mais legal da história do cinema. Apesar de dirigido pelo mestre da violência Sam Peckinpah, ‘Comboio’ tem uma pegada mais humorada e sacana. Divertido.

A maioria dos sensacionais diálogos do filme de 1978 é feita por rádio-amador PX entre os caminhoneiros a partir de suas cabines enquanto mantém o pé no acelerador.

Rubber Duck [Pato de borracha em inglês] lidera a rebelião dos caminhoneiros contra os abusos policiais do xerife Lyle Wallace. À medida que o comboio engrossa e conquista mais seguidores, as autoridades começam a se preocupar:

– “Esse comboio é um tipo de manifestação de protesto?”, pergunta um assessor do governador
– “O objetivo de um comboio é manter-se em movimento”, responde Duck em tom de chacota

Encurralado

Se em ‘Comboio’ os caminhoneiros são os heróis, em outro clássico do cinema dos anos 70 o profissional da boleia é o vilão. ‘Encurralado’ [Duel] mostra um velho caminhão tanque cujo motorista nunca aparece perseguindo e aterrorizando um solitário motorista num carro em estradas desertas e cheias de curvas perigosas. Angustiante e sem diálogos, o filme de 1971 é o primeiro do gênio do cinema Steven Spielberg, que em nenhum momento revela as motivações do caminhoneiro psicótico. Assustador.