Piada em debate: a morte de um humorista

Piada em debate: a morte de um humorista

Edmundo Leite

04 Outubro 2011 | 17h28

O humorista morre quando começa a se autocensurar. Aqui no Brasil, a maior prova é um gênio que já há alguns anos perdeu a pegada quando começou a ter pudores e a se preocupar com o efeito que suas piadas poderiam ter sobre as crianças. O Brasil ficou mais sem graça desde então.

A transformação do adorável sacana em animador de buffet infantil não é o único caso, mas é o mais emblemático dos danos que a autocensura provoca no humor.

Humorista domesticado é um humorista morto. Vida longa aos humoristas.

Em dias como esses, é inevitával relembrar do “Piada em Debate”, da TV Pirata, protagonizado por Louise Cardoso, Regina Casé, Ney Latorraca, Guilherme Karan, Claudia Raia, Débora Bloch e Cristina Pereira.

Em outro quadro da mesma série, a fala de Luiz Fernando Guimarães misturando dois temas explosivos poderia deixar os novos fiscais do humor furibundos.

Relembrando outros grandes do humor, “não há considerações gerais há fazer. Tá tudo aí. Tá tudo aí. Para quem quiser ver…”