Ronaldinho Gaúcho, confiante e arrependido

Edmundo Leite

22 de junho de 2002 | 22h42

(Texto originalmente publicado no Estadao.com.br em 22 de junho de 2002)

Edmundo Leite

Saitama, Japão Ronaldinho Gaúcho está confiante e arrependido. Confiante porque acredita que não receberá uma punição mais severa da Fifa por causa da expulsão no jogo contra a Inglaterra e que, assim, poderá disputar a final da Copa do Mundo, se o Brasil passar pela Turquia. Arrependido por ter ido com tanto ímpeto contra o inglês Mills no lance que resultou no cartão vermelho. “Não passa pela minha cabeça ficar forma da final”, disse o meia do Paris Saint Germain, no hotel onde a seleção brasileira está concentrada em Saitama. “O que passa na minha cabeça é cumprir a suspensão normalmente e nesse jogo que eu vou ficar no banco poder ajudar de alguma forma e poder participar da final”.

O caso de Ronaldinho seria julgado neste domingo pela Comissão de Arbitragem da Fifa, que pode aumentar a suspensão do jogador em mais um partida. Mas Ronaldinho acredita que a análise do vídeo do jogo o favorecerá. Além disso, a CBF também conta com o prestígio do presidente da entidade, Ricardo Teixeira, que é integrante da Comissão de Arbitragem, para preservar o atleta de uma punição rigorosa.

Ronaldinho voltou a afirmar que considera a expulsão injusta e disse que não teve a intenção de atingir o adversário, que pouco antes o havia atingido. “Acabei colocando o pé nele e o árbitro achou que era lance para expulsão. Eu acho que era para cartão amarelo”. Segundo o brasileiro, ele tentava se proteger. “Minha intenção não foi dar o troco, foi de me proteger, pois achei que ele viria mais forte”.

Mesmo considerando injusto o cartão vermelho, Ronaldinho Gaúcho não esconde um pouco de arrependimento por ter ido com tanto ímpeto na jogada. “Se fosse pensar duas vezes é lógico que eu não colocaria o pé daquela forma. Mas aconteceu e agora é esperar”.

Gol – A única coisa que ameniza a tristeza com a expulsão é ter marcado o gol que garantiu a vitória e a vaga do Brasil nas semifinais da Copa do Mundo. Como aconteceu depois da partida, Ronaldinho Gaúcho voltou a afirmar que tinha a mesmo a intenção de chutar a bola a gol, e não fazer um cruzamento, como até alguns companheiros de time chegaram a dizer. “É lógico que eu não queria botar a bola daquela forma, colocar exatamente naquele lugar, mas minha intenção foi de chutar no gol”.

Tendências: