TV celebra 70 anos no Brasil com prédios pioneiros esquecidos

TV celebra 70 anos no Brasil com prédios pioneiros esquecidos

Edmundo Leite

18 de setembro de 2020 | 22h10

Nascimento da TVLocal dos estúdios da primeira transmissão de TV do Brasil via Google Maps  

Projeto da TV Tupi

Projeto da sede da TV Tupi no Arquivo Histórico de São Paulo

No tranquilo quarteirão entre a avenida Alfonso Bovero, as ruas Piracicaba, Catalão e um beco nasceu na noite de 18 de setembro de 1950 a televisão no Brasil. Foi dali, onde ficavam os estúdios da pioneira TV Tupi, que há sete décadas foram transmitidas para uma antena instalada no próprio local e outra no topo do prédio do Banespa, no centro de São Paulo, as primeiras cenas tomadas ao vivo ali mesmo no alto do bairro do Sumaré para serem assistidas em televisores instalados num salão do Jockey Clube, em Pinheiros, e mais 22 aparelhos espalhados por 17 lojas, 4 bares e no saguão do imponente prédio dos Diários Associados, grupo proprietário da Tupi, na rua Sete Abril.

Mas, ao contrário do que acontece em cidades que prezam sua memória, como Londres, onde quem anda por um de seus belos parques se depara com uma simples placa dizendo que naquele lugar foi realizada a primeira transmissão de TV da Inglaterra, aqui em São Paulo os quatro locais citados no primeiro parágrafo não tem uma única menção ao fato histórico do qual foram palcos.

Apesar de amplamente citados há anos em estudos, reportagens e livros [o principal deles Chatô, o Rei do Brasil, biografia do jornalista e empresário Assis Chateaubriand escrita por Fernando Moraes, de onde foram tiradas as informações sobre as localizações desse texto], esses lugares ainda não foram alvo de ações públicas ou particulares para enaltecer a história que protagonizaram. O programa municipal de instalação de plaquetas memorialísticas ainda não passou por eles.

As instalações do Sumaré, modernizadas, continuam ativas como estúdios de TV da ESPN Brasil, mas sem lembrar o feito histórico ali realizado, apesar de haver espaço em muros e portões para isso. Uma pequena placa poderia ser colocada na esquina da Alfonso Bovero com a Piracicaba para celebrar o que aconteceu por lá.

A antiga sede dos Diários Associados, também primeira sede do Masp e ainda palco da pré-estreia da TV, numa transmissão em circuito fechado em 5 de julho de 1950, está abandonada na Rua Sete de Abril desde que a Vivo Telefônica se desinteressou pelo local. Uma plaquinha poderia dar um novo ânimo ao lugar, mesmo que fechado.

No centro da cidade, o antigo prédio do Banespa, atual Farol Santander, é o único dos locais que ainda tem algum apreço por sua memória, mas, aparentemente, essa participação como uma das antenas da primeira transmissão de TV não está destacada.

O Jockey Club continua lá na Cidade Jardim, sempre às voltas com ações para tentar atrair mais público como antigamente. Para isso, poderia também olhar para a sua trajetória e promover lembretes, como as já citadas simples placas, eventos e exposições que lembrassem os momentos históricos que já presenciou além da primeira transmissão de TV do Brasil. Poderia criar uma sala exclusiva só para lembrar a pioneira assistência televisiva. Espaço não falta.

Na Alfonso Bovero pioneira também está sem qualquer menção ao que ali aconteceu o prédio que a TV Tupi construiu ao lado do beco poucos anos depois da inauguração da emissora. E que depois de sua falência abrigou instalações do SBT – com o programa Jô Soares Onze e Meia gravado por anos no estúdio rente ao beco, no número 72 da avenida, – e da MTV, cujo público órfão conhece bem o edifício do número 52, o beco e o parque em frente, locações de programas inesquecíveis, apresentações musicais, entrevistas e os humorísticos Hermes & Renato e Comédia MTV, com Marcelo Adnet.

Muitas vezes você passa por lugares históricos de São Paulo e não sabe disso.

+ Televisão no Acervo Estadão

>> O futuro revelado na Feira de Nova York de 1939

>> Televisão brasileira completa 70 anos em processo de renovação

>> A TV Tupi no acervo do Arquivo Histórico de São Paulo: novas fontes [por José Inacio de Melo Souza]

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: