As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Como ferramenta do jornalismo, a internet ainda precisa ser mais explorada

Redação

24 Outubro 2013 | 15h58

Juliana Diógenes

O cenário é positivo para os jornalistas interessados em se especializar na área investigativa. Pela facilidade das novas gerações no trato com as possibilidades multimídia, mas também graças à pressão cada vez maior da sociedade por transparência pública.

Com a Lei de Acesso à Informação, em vigor há pouco mais de um ano, o uso da Internet como ferramenta para o jornalismo investigativo ainda está em fase de descoberta, avalia o economista Gil Castello Branco, fundador e secretário-geral da Associação Contas Abertas. A organização não governamental acompanha a execução orçamentária e financeira da União desde 2005.

“Ainda temos uma cultura muito arraigada do secreto, do sigiloso. Mas a Lei mudou essa cultura. Quanto mais o acesso e a transparência, melhores serão as ferramentas. E acompanhar a gestão pública é uma forma de melhorá-la”, afirmou Gil. Para ele, os portais de transparência ainda carecem de navegação “ativa e eficiente”.

Gil Castello Branco, fundador e secretário-geral do Contas Abertas (Foto: Ana Pinho)

Um dos principais entraves para o acesso à informação ainda são as dificuldades impostas pelos servidores públicos. O processo de divulgação das contas públicas aos jornalistas e cidadãos é muito burocrático, diz Gil.

“Muitos burocratas ainda não se convenceram de que a propriedade da informação é dos cidadãos. Acham que informação é poder. Mas qualquer servidor, seja do Executivo, Legislativo ou Judiciário é um representante da sociedade, um empregado”, defendeu, durante a Semana Estado. O economista criticou também a lentidão do Supremo Tribunal Federal, que ainda não regulamentou a Lei de Acesso à Informação.

Internet como ferramenta jornalística

No terceiro dia da Semana Estado de Jornalismo, Gil deu dicas aos jovens jornalistas e apresentou o trabalho da Associação aos participantes. “Estamos vivendo uma excelente oportunidade de fazer a diferença. Os jovens precisam conhecer a fundo os portais de acesso à informação. Essa ferramenta para o jornalismo investigativo está dentro da Internet, um campo que os jovens dominam”, explica.

Em tempos de crise no jornalismo tradicional, diz o economista, haverá cada vez mais oportunidades de emprego no universo do jornalismo com base de dados.