Agitações internas
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Agitações internas

Redação

01 Novembro 2010 | 12h24

O privilégio de estar nas redações do Grupo Estado no momento não se justifica somente pela efervescência política do País. O processo eleitoral e os episódios a ele relacionados são apenas um dos componentes do ambiente de agitação perceptível no Estado.

Ares de mudança são notáveis. Habituados a lidar com excepcionalidades diárias, nós, jornalistas, estamos nos deparando com uma realidade em transição. Estão em xeque o meio e a mensagem.

Antes de tudo, vale a pena deixar claro: mesmo o mais pessimista dos palestrantes do curso não prevê o tão temido fim de publicações impressas em um cenário a curto ou médio prazo.

Tal certeza não se dá pelo fato simples de o Estado ser publicado no papel. Pois ele está além do papel. Possível de ser lido em tablets como o iPad, o jornal garante seu futuro ao apostar no presente em plataformas distintas à sua forma original.

Existir nos planos físico e virtual implica em produzir em mais de uma linguagem. Textos de diferentes meios podem ser semelhantes, mas jamais serão a mesma coisa.

A revista norte-americana Wired foi citada como exemplo de jornalismo multiplataforma tanto pelo editor-chefe do Estado, Roberto Gazzi, como pelo editor-chefe de conteúdos digitais do jornal, Pedro Doria. A publicação possui linguagem própria e conteúdo exclusivo para internet, tablets e revista.

Oferecer o melhor jornalismo possível dentro das características e demandas de cada mídia está no cerne dos principais desafios de qualquer jornalista no momento. A Wired parece estar lidando bem com essa situação.

A agitação perceptível nas redações do Estadão demonstra uma preocupação em adequar uma história de 135 anos às demandas da realidade. Um contexto de intensas transformações.

Pensar o presente como um conceito mais amplo, além do dia e reflexo de um momento singular: um exercício necessário para compreender o instante. Privilégio ao qual tenho sido instigado a praticar.

Ramon Vitral, de 24 anos, é formado em Jornalismo pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora (CES/JF)

Mais conteúdo sobre:

Pedro DoriaRamon VitralRoberto Gazzi