Alguns documentários que todo foca deveria ver
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Alguns documentários que todo foca deveria ver

Redação

19 Outubro 2011 | 12h00

Meu post de hoje é jogo rápido, quero apenas indicar alguns filmes muito bacanas que todo jornalista deveria assistir. Alguns são verdadeiras aulas de técnicas de entrevista, outros são obrigatórios simplesmente pelo marco que foram na história do cinema brasileiro. Sei que muita gente não curte documentários, acha monótono e coisa e tal, mas, sei também que essas pessoas não gostam justamente porque nunca assistiram a um que preste (ou a algum com formato diferente do off/depoimento/off/depoimento/ off/ZzZzZzzzzzz…)

Sendo assim, segue uma listinha com filmes imperdíveis. A alguns deles assisti pela primeira vez no curso de documentário que faço aos sábados (não, eu não tenho vida social). Espero que gostem!

Night Mail (1936) – um filme de John Grierson (a.k.a. O CARA) que narra o funcionamento dos correios na Inglaterra. O documentário tem 25 minutos e mostra todo o caminho que uma carta percorre, desde a postagem até a entrega.

33 (2001) – Kiko Goifman utiliza a linguagem noir para mostrar sua busca pela mãe biológica. O nome do filme se refere a três fatos relativos a esta procura: Kiko decidiu encontrar a mãe aos 33 anos de idade, sua mãe adotiva nasceu em 1933 e a busca durou exatos 33 dias.

À Margem da Imagem (2002) – Este documentário tem duas versões; optem pela curta, de 15 minutos (a longa é bacana, mas um pouco maçante para quem não está acostumado a assistir a filmes do gênero). Só digo uma coisa sobre o filme: Evaldo Mocarzel conseguiu um dos finais mais incríveis do cinema brasileiro.

Santiago (2007) – João Moreira Salles esmiúça em frente as câmeras a vida do homem que foi mordomo de sua família por décadas a fio. O documentário é um recorte de uma obra inacabada e uma verdadeira aula de cinema. Obra-prima.

Oma (2011) – Um curta de Michael Wahrmann (que resume a história em “Ela fala alemão, eu falo espanhol. Ela não escuta, eu não entendo.”). Melhor exemplo ever de “uma câmera na mão e uma ideia na cabeça”.

Abaixo, um filme genial sobre as prostitutas idosas da Praça da Luz. Watch and learn:

Gabriela Forlin, de 23 anos, é formada em Comunicação Social – Habilitação em Jornalismo pela Universidade do Vale do Itajaí (Univali)