As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Andréia Lago apresenta o Eder Content, oportunidade para fazer grandes reportagens fora das redações

Rede é um espaço para jornalistas freelancer produzirem bom jornalismo sem estarem nos grandes veículos de mídia

Redação

26 Outubro 2017 | 22h12

Por Rubens Anater

O segundo bloco da tarde de quinta-feira, dia 26, também contou com palestra da sócia fundadora e editora de conteúdo da rede de jornalistas Eder Content, Andréia Lago. A jornalista falou sobre as possibilidades de se fazer jornalismo de qualidade fora das grandes redações e disse que a própria criação do Eder foi uma forma de tornar esse sonho uma realidade. “Nossa ideia era criar uma rede de jornalistas fora das redações. Não importa se eles têm muita ou pouca experiência, mas sim que façam bom jornalismo.”

Andréia contou que o nome Eder é simplesmente a palavra “rede” ao contrário, para destacar que o grupo é uma rede de jornalistas, trabalhando em conjunto. O Eder hoje tem uma equipe de 33 colaboradores, que são acionados para trabalhar quando há uma pauta que necessite de sua função. Esses jornalistas estão distribuídos no Brasil, na Europa e na América Latina, mas o Eder não possui uma sede ou qualquer espaço físico. A editora diz que, quando parte desse grupo precisa se reunir, geralmente é em um café, ou mesmo na casa de alguém.

Os colaboradores trabalham como freelancers e a produção de uma reportagem costuma levar meses, demandando o trabalho de diversos profissionais para alcançar um trabalho de qualidade. “A gente se propôs desde o princípio em trabalhar muito em profundidade. Fazer abordagens que fossem únicas, com aspectos que passaram despercebidos pelos veículos. Pegar nuances e aprofundar. Sempre, sempre com multimídia”, relatou Andréia. Ela disse ainda que, ao montar a equipe para uma pauta, busca mesclar jornalistas de diferentes habilidades e experiência para enriquecer o trabalho.

No entanto, o Eder não é uma plataforma de veiculação de notícias, mas uma agência. As reportagens são produzidas para, quando prontas, serem vendidas para redações. “Às vezes, só de comentar que a pauta existe, um veículo já diz que quer, com exclusividade. Com 3 anos de estrada, conquistamos essa confiança”, afirmou Andréia, apresentando ainda grandes reportagens já publicadas pela rede.