As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Bastidores: ‘Cidades enterram trilhos para mudar entorno e melhorar o transporte’

Redação

30 de dezembro de 2010 | 13h45

Esta matéria surgiu do turbilhão de informações que conseguimos ao conversar com diversos especialistas na área. Da entrevista de Nayara Fraga com o PhD em obras subterrâneas André Pacheco de Assis, conseguimos diversas dicas de cidades que estavam usando soluções subterrâneas. A partir disso, fomos atrás de outros especialistas indicados por ele e de informações sobre os lugares apontados.

Alguns documentos que conseguimos em uma recente palestra sobre o assunto nos deram dados. Muitas informações vieram de matérias de outros jornais, especialmente no caso das localidades internacionais.

Um grande desafio foi o contato com pessoas de fora do País, para que conseguíssemos mais informações. Um deles, o prefeito da cidade de Seoul, capital da Coréia do Sul, nos respondeu na tarde do fechamento. E as informações complementavam e deixavam mais clara nossa matéria.

No fim, percebemos que tivemos bem mais entrevistas e dados do que esperávamos no começo. Mas como nos foi ensinado, devemos apurar bem mais que o necessário e usar “10%” de tudo que sabemos.

Planejávamos outro destino para este tópico. Ele seria uma parte das experiências internacionais. Mas como a matéria sobre a Operação Lapa-Brás evoluiu, foi decidido que ela iria na mesma página que esta. Por assumir essa importância, primeiramente foi escrita com todas as informações possíveis, já que não sabíamos qual o espaço seria dedicado a ela. Não foi nenhuma surpresa quando soubemos que teríamos que diminuir as linhas das 120 iniciais para cerca de 40.

Com a ajuda de amigos e muito suor, conseguimos chegar próximo à meta. A edição final não prejudicou a informação inicial, e certamente ficou mais natural e fluído do que o texto original.



Henrique Bolgue, de 27 anos, é formado em Jornalismo pela Universidade de Brasília (UnB), onde também cursa o último semestre de Audiovisual

Marina Estarque, de 23 anos, é formada em Jornalismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Tudo o que sabemos sobre:

Henrique BolgueMarina Estarque

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: