As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Bastidores: ‘Novas perspectivas de futuro por meio da arte’

Redação

20 de dezembro de 2011 | 15h10

A primeira ideia nasceu já junto da segunda. Falar de cultura sempre foi uma vontade, assim como a parceria entre as amigas-vizinhas de curso. Decidido o tema, uma pesquisa nos orientou para a pauta: qual seria o impacto da cultura e da arte na vida dos jovens? O contato com a pesquisa da pedagoga Cleidy Nicodemos Silva, do Observatório Jovem, serviu de ponto de partida para entender essa relação, tanto no presente quanto nas consequências futuras. A busca por personagens interessantes seria fundamental.

Encontramos a Angela Gaeta num encontro de maracatu sugerido pela amiga foca Beatriz Bulla: na Escola Estadual Alves Cruz, o Projeto Calo Na Mão desenvolve há quase dez anos um projeto cultural que não só abriu novos horizontes para muitos jovens, como também contribuiu na melhoria do ensino. Com o índio capixaba, descoberto num webdocumentário da Rede Cultura Jovem, foi muito interessante ver como a relação com a escrita e com a música o ajudam a pensar criticamente sobre a situação de seu povo. Além disso, ajudaram a colocá-lo como ator na preservação de uma forma de viver tão rica e importante para a cultura brasileira, em geral.

Tyagkauê, nosso índio escritor e cantor de Aracruz, Espírito Santo, através de sua arte até se reinventou. Misturou seu nome “branco”, Tiago, com sua graça indígena Kauê, renascendo artista. Uma de nós, que além do Estado de origem também tem nome indígena, foi até entrevistada na entrevista. O jovem, da mesma idade, perguntou: “Você tem um nome “branco” também?” “Não, não, esse é meu nome mesmo”, falávamos por telefone, enquanto ele, debaixo de uma árvore em sua tribo, dividia com a gente, da redação do jornal, o canto dos passarinhos.

Já com o Frederico Félix, art designer de apenas 18 anos, além de uma agradável conversa, pudemos inovar na forma. A entrevista foi feita por meio de uma conferência de vídeo. Mesmo com certa distância, pudemos aproveitar da observação da fonte. Uma aposta até de mais um modo de fazer jornalismo daqui por diante. E a conversa com Gustavo Martins, compositor e guitarrista da banda Ecos Falsos, além de diretor do programa Furo MTV, foi o que nos despertou para entendermos também o modo como a produção cultural desses jovens artistas influencia diretamente na vida de outros jovens. No geral, a experiência foi intensa, como tudo que vivemos no Curso Estado de Jornalismo, e deliciosa. Foi quando nos sentimos jornalistas do Estadão e, de quebra, selamos uma amizade em tom de parceria.

»

Heloisa Aruth Sturm, de 29 anos, é formada em Direito e em Jornalismo pela Universidade de São Paulo (USP)

Jacyara Pianes H. Carvalho, de 23 anos, é formada em Jornalismo pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes)

Tendências: