Correspondente no estrangeiro?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Correspondente no estrangeiro?

Redação

02 de dezembro de 2010 | 16h02

Buenos Aires – Dias quentes e noites frescas. Esta é a primavera em Buenos Aires. De manhã, as bancas de jornal estão abertas e não são lojas de conveniência, como no Brasil. Vendem revistas, jornais e produtos relacionados a informação. Nada além.

As tardes estão quentes nesta época do ano. O sol brilha forte no céu e pancadas de chuvas, como as que ocorrem no verão brasileiro, se repetem por aqui.

No fim da tarde, próximo às 18h, trabalhadores do centro deixam suas empresas e se encontram nos cafés, muito comuns na região central da cidade.

***

Esta foi a minha primeira imagem da capital argentina. Na viagem que fez parte do curso, nós, focas, fomos a Buenos Aires e não deixei passar a oportunidade de escrever como uma espécie de “correspondente no estrangeiro” do blog.

Chegamos à capital argentina no domingo e ficamos até ontem. No primeiro dia, conhecemos as gráficas dos jornais El Clarín e La Nación, além da redação do El Clarín, jornal com maior tiragem do país. Na terça-feira, fomos até algumas obras da Odebrecht, patrocinadora do curso, e fizemos um city tour na quarta-feira.

***

Buenos Aires respira política. A morte do ex-presidente Nestor Kirchner deixou marcas profundas na sociedade. É fácil ver pichações nas paredes e muros se referindo a isso.

“Nestor con Peron. El pueblo con Cristina”, dizia uma, em frente à Casa Rosada, residência oficial da presidente. “No es posible apagar tanto fuego”, dizia outra, que servia de legenda para uma foto do líder morto.

Apesar do atual movimento, nem todos estão com o casal Kirchner. Bruno Rezende, vendedor de uma loja de doces no centro, culpa a falta de oposição pela atual adoração ao ex-casal.

“Não temos opção. Desde o começo da década, faltaram líderes que conseguissem mobilizar a nação e fazer algo de fato. Nestor e Cristina podem ser corruptos e autoritários, mas tiraram a Argentina da crise e ajudaram aos pobres”, afirmou.

Guilherme Waltenberg, de 25 anos, é formado em Jornalismo pela Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Tudo o que sabemos sobre:

Buenos AiresGuilherme WaltenbergViagem

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.