Eduardo Baptistão: a ilustração na era digital
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Eduardo Baptistão: a ilustração na era digital

Carla Miranda

23 Outubro 2015 | 18h34

Eduardo Baptistão mostra sua primeira ilustração premiada, feita quando ainda estava no colégio Foto: Thiago Wagner

Eduardo Baptistão mostra sua primeira ilustração premiada, feita quando ainda estava no colégio
Foto: Thiago Wagner

Por Luiza Pollo

No último bloco de palestras da Semana Estado de Jornalismo,  o premiado ilustrador Eduardo Baptistão falou da relação do desenho com o texto. Com o blog Em Foca, ele comentou as novas possibilidades de trabalho para quem está entrando no mercado da ilustração.

Baptistão vem de uma família de desenhistas e sempre teve facilidade em ilustrar. Na infância, chegou a enviar caricaturas à revista Placar – na qual contribuiria mais tarde, profissionalmente. Quando precisou escolher uma carreira, pensou em ser jornalista esportivo. “Sorte que não passei no vestibular, porque não sei escrever”, brinca. Cursou Publicidade e Propaganda na Cásper Líbero, com a esperança de ter aulas de desenho – o que não aconteceu. Mesmo assim, persistiu na ilustração e se especializou em caricatura. “Entrei na imprensa por causa do meu portfólio”, que construiu desde pequeno.

Há espaço para iniciantes

Para quem não tem muita facilidade com o desenho, mas gostaria de trabalhar na área, Baptistão afirma que o estudo formal da técnica pode ajudar. Além disso, ele defende que é necessário prestar atenção nas referências de outros artistas: “É importante ter os olhos abertos para tudo”. O ilustrador conta que Paulo Caruso, Benício, Trimano e Rocha são algumas de suas maiores inspirações na profissão.

Baptistão afirma que, atualmente, o jornalismo está passando por uma fase de grandes mudanças. Segundo ele, a ilustração não passa por um bom momento – principalmente no impresso – mas esse cenário pode mudar. “Não quer dizer que quem está começando agora não vai conseguir entrar nesse mercado. Tem muitos campos para quem gosta de desenho: na internet, em games”, diz o ilustrador.

Novas tecnologias

Segundo ele, as ferramentas digitais de desenho, como tablets e mesas digitalizadoras, auxiliam na entrada da ilustração em novas plataformas online. Ainda assim, Baptistão tem certa resistência a algumas tecnologias. “Isso facilitou, mas não substituiu o papel. Eu desenho à mão e depois faço tratamento digital. Acho que no papel tem um movimento diferente”, explica.

Atualmente, o ilustrador colabora com o Estadão e com as revistas Carta Capital e Veja. Além disso, publicou trabalhos na Placar, Playboy, Vogue, Você S/A, entre outras. Baptistão já recebeu diversos prêmios nacionais e internacionais.