As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Fake news’, não: O jornalismo colaborativo no combate à desinformação

Iniciativas para combater a disseminação de conteúdos falsos e para mapear o jornalismo no Brasil foram temas da Semana Estado

Redação

28 Setembro 2018 | 18h46

Sérgio Spagnuolo (à esquerda) participou do painel ‘Juntando os pontos’ ao lado de Daniel Bramatti (Caio Blois)

O combate à desinformação foi o tema do painel de abertura do último dia da Semana Estado de Jornalismo. Durante o evento, a colaboração de organizações de imprensa para verificação de informações disseminadas na internet e o mapeamento de veículos de imprensa em todo o Brasil foram os assuntos das palestras.

Presidente da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), Daniel Bramatti falou sobre o projeto Comprova, que reúne 24 empresas de mídia de todo o Brasil no combate à desinformação. Para Bramatti, que também é editor do Estadão Dados e do projeto Verifica, a palavra “fake news” já está ultrapassada e merece ser revista.

“O termo foi sequestrado pelos políticos, que utilizam para nomear tudo o que lhes desagrada. O espectro da desinformação é muito grande”, disse o editor. O jornalista ainda afirmou que “desmentir boatos é uma batalha diária, mas é necessário travá-la”.

Segundo a categorização proposta durante a palestra, o que se popularizou como “fake news” deve ser revisto em sete categorias, que são: falsa conexão; falso contexto; manipulação de contexto; sátira ou paródia; conteúdo enganoso; conteúdo impostor; e conteúdo fabricado, este último sendo o único com conteúdo 100% falso, feito com intenção de prejudicar e ludibriar.

Ainda durante o painel, Sérgio Spagnuolo, fundador da agência de jornalismo de dados Volt Data Lab, falou sobre a iniciativa Atlas da Notícia, que mapeia a cobertura local de mídia em todo o Brasil.

“Mapeamos de 7 a 8 mil empresas radiodifusoras de todo o Brasil e constatamos que, nas cidades onde mora 25% da população brasileira, não há cobertura local por rádio ou TV. Estamos falando de mais ou menos 50 milhões de pessoas que vivem em desertos de notícias”, detalhou.

Conheça iniciativas citadas pelos painelistas:

Estadão Dados: Clique aqui

Verifica: Clique aqui

Comprova: Clique aqui

Atlas da Notícia: Clique aqui