Felipe Lavignatti relembra o início do jornalismo digital no Brasil
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Felipe Lavignatti relembra o início do jornalismo digital no Brasil

Carla Miranda

21 Outubro 2014 | 19h07

Por Caio Hornstein

Palestrante convidado da Semana Estado de Jornalismo, Felipe Lavignatti já trabalhava com jornalismo digital quando a atividade ainda não era valorizada. O jornalista integrou entre 2005 e 2009 a equipe do jornal Estado de São Paulo responsável por especiais multimídia e relembra as dificuldades enfrentadas no período.

“Havia uma rivalidade entre os profissionais que trabalhavam no jornal impresso e aqueles que integravam o portal da internet. Os jornalistas nas redações não nos consideravam colegas, e o pessoal da área de tecnologia nos achava intrusos. Os conteúdos digitais interativos eram vistos como algo supérfluo, uma brincadeirinha ”.

Lavignatti destaca que o improviso era fundamental no período em que os recursos interativos ainda eram novidade na internet brasileira. “Quando não havia o Google Maps, tive de desenhar à mão um mapa múndi interativo. Eu e meus colegas tivemos de programar, a partir do nada, um sistema para que galerias de fotos fossem adicionadas ao site.”

Segundo o jornalista, a tecnologia evoluiu tanto nos últimos anos que a defasagem de conteúdos antigos é evidente. “Dá quase vergonha de ver alguns projetos que desenvolvi há muitos anos”, brinca.

Idealizador do Arte Fora do Museu, site que mapeia obras de arte presentes nos espaços públicos das cidades brasileiras, Lavignatti considera fundamental que os jornalistas iniciantes tenham noções básicas de criação de conteúdos multimídia. “ Os profissionais da área precisam saber fazer filmagens, editar fotografias, fazer gráficos – nem que seja de maneira rasa”.

Lavignatti recomenda cautela aos jornalistas iniciantes que desejam criar narrativas com recursos digitais. “Nem toda matéria requer vídeos ou áudios elaborados. Tudo depende do conteúdo e da abordagem desejada. Para ser original, é fundamental pesquisar se alguém já criou algum conteúdo parecido com o resultado que você busca”.