Leitor precisa aprender a questionar informações duvidosas, segundo jornalista Pablo Pereira
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Leitor precisa aprender a questionar informações duvidosas, segundo jornalista Pablo Pereira

Jornalista destaca a credibilidade do jornalismo em tempos de fake news. Pereira participou do segundo dia da 12ª Semana Estado de Jornalismo nesta quarta-feira

Redação

25 Outubro 2017 | 21h44

Pablo Pereira conversa com estudantes de comunicação após palestra da Semana Estado de Jornalismo (foto: Karina Campos)

Por Karina Campos

As notícias falsas se tornaram um problema que vem ganhando espaço nas discussões atuais, por conta da facilidade em disseminar boatos e conteúdos fraudulentos com o avanço das mídias digitais. O público é fundamental no combate às chamadas fake news, checando e questionando a informação que chega até ele pelas redes sociais e pela internet. A avaliação é do repórter especial do Estadão Pablo Pereira.

Com mais de 20 anos de experiência, Pereira também já passou pelas redações da Folha de S. Paulo, Gazeta Mercantil e Diário de S. Paulo. Acompanhou a transição e a adaptação das redações às novas tecnologias. Ele é contrario a ideia de que o jornalismo perdeu força com as mudanças. Para o profissional, a credibilidade do conteúdo jornalístico ganha ainda mais importância em tempos de boato na internet.

“O patrimônio do jornalista é sua credibilidade, isso se consegue na apuração bem feita. A confiança se constrói falando a verdade, com bom jornalismo. Acredito que no meio digital é preciso cada vez mais ter uma educação das novas audiências para consumir informação verificada, checada profissionalmente”, afirma.

O jornalista vê com otimismo a facilidade e a rapidez no acesso às informações que a tecnologia possibilitou. Acredita ser possível ter acesso a conteúdo de qualidade nas redes sociais, de fontes alternativas. Para ele, o mundo digital ainda está em transição – tanto o publico como a mídia vão se adaptar ao cenário.

“Quem lia jornal era uma parcela muito pequena da população, se compararmos com o potencial consumidor. A modernização da plataforma colocou número maior de pessoas em contato com a informação. O problema é que ninguém mediu direito a dimensão desses avanços e as mudanças que iam provocar. Hoje, é preciso mais do que nunca ter o ‘pé atrás’ com o que se lê, todo mundo ainda está aprendendo a fazer isso”.

+ Fact-cheking e linguagem direta são fundamentais segundo jornalistas

O repórter foi um dos palestrantes do segundo dia da 12ª Semana Estado de Jornalismo nesta quarta-feira, 25, onde discutiu os bastidores do jornalismo e a importância da preservação dos documentos de fontes. O evento também contou com a presença de André Maleronka, editor geral da Vice Brasil.