Melhoria da vida urbana depende de mudança cultural
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Melhoria da vida urbana depende de mudança cultural

Redação

09 de junho de 2015 | 22h00

Por Rafaela Malvezi e Renato Alban

André Palhano e Lincoln Paiva participaram de debate sobre conscientização urbana

André Palhano e Lincoln Paiva participaram de debate sobre conscientização urbana

Os cidadãos devem mudar a forma como encaram, utilizam e circulam pelos espaços urbanos. “As pessoas acham que vamos resolver a mobilidade urbana com mudanças na infraestrutura. Não é verdade. Isso vai acontecer com a mudança das pessoas”, disse hoje o presidente do Instituto Mobilidade Verde, Lincoln Paiva, em palestra na Semana Estado de Jornalismo Ambiental sobre conscientização urbana.

Apesar de reconhecer a importância de investimentos em transporte público para a melhoria da mobilidade urbana, Paiva afirma que ela só ocorrerá quando a necessidade de deslocamento diário das pessoas diminuir. “Se tivermos trabalho, saúde e lazer à pé, nossa qualidade de vida vai melhorar muito”, afirmou o presidente do Instituto Mobilidade Verde.

A ONG é responsável pela instalação de 37 parklets, minipraças instaladas em vagas de carro, nas ruas de São Paulo, e é um dos fundadores do Laboratório de Caminhabilidade, que estuda formas de incentivar as pessoas a andarem mais a pé. “Os parkelets mostram uma nova forma de usar a cidade”. Já o laboratório foi criado para sinalizar ao poder público a importância de as pessoas caminharem mais na cidade.

“O repórter tem que ter base para não deixar que seu lado ativista faça com que ele cometa erros ou injustiças” – André Palhano, jornalista e idealizador da Virada Sustentável

Para o jornalista André Palhano, que também palestrou sobre conscientização urbana, o individualismo é uma das principais barreiras para que as cidades se tornem mais sustentáveis. “Quando queremos algo só para nós, vivemos pela ótica da escassez. Temos que ter consciência que vivemos em sociedade. Se for ruim para um, necessariamente vai ser ruim para todo mundo”, afirmou.

Com o objetivo de divulgar informações sobre a sustentabilidade, Palhano idealizou a Virada Sustentável, que chega a sua quarta edição em agosto. Segundo o jornalista, a ideia é estimular artistas e organizações a demonstrar visões sobre o tema. Em entrevista ao blog Em Foca, ele adiantou que esse ano o evento dará atenção especial a três temas – água, mudanças climáticas e cidades – e trará como convidada a socióloga holandesa Saskia Sassen, conhecida por criar o termo “cidades globais”.

Dicas para jornalistas

Tanto Paiva quanto Palhano afirmaram que a cobertura de temas como urbanismo, meio ambiente e sustentabilidade ainda é fraca na maioria dos veículos e precisa de uma compreensão mais aprofundada dos jornalistas. “O repórter tem que ter base para não deixar que seu lado ativista faça com que ele cometa erros ou injustiças”, disse o jornalista.

O presidente do Instituto Mobilidade Verde aconselhou que jornalistas interessados em fazer reportagens sobre urbanismo explorem a cidade para compreendê-la melhor. Palhano ainda afirmou que os repórteres devem exercitar o senso crítico para diferenciar boas iniciativas de sustentabilidade das que são apenas de faixada.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: