As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Nada como o deadline

Redação

23 Novembro 2011 | 12h00

A última hora ou data na qual uma tarefa deve ser completada. Essa é a definição do dicionário online de Oxford para a palavra deadline. No mesmo site, logo abaixo, aparece outra definição, dessa vez, histórica, e, diga-se de passagem, um tanto quanto assustadora: linha desenhada em volta de uma prisão além da qual os prisioneiros estão suscetíveis a serem alvejados. É assim que nós, jornalistas, inevitavelmente nos sentimos quando estamos apurando uma matéria. Se ultrapassarmos o prazo limite para a entrega, seremos massacrados por nossos editores.

No Curso, não é diferente. Estamos sendo avaliados constantemente pelos professores que nos passam os exercícios de apuração e temos prazos para enviar os textos. Ou seja, não há como fugir do deadline.

Desde o início do Curso participamos de algumas entrevistas coletivas. A última aconteceu na manhã de segunda-feira. Os focas entrevistaram o ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega. Já sabíamos que seria necessário escrever uma matéria sobre a coletiva. A surpresa veio quando, momentos antes de o entrevistado chegar, o professor Luiz Carlos Ramos nos informou que teríamos até as 13h para entregar o texto, ou seja, era preciso escrever tudo em pouco menos de duas horas.

Depois do início dramático deste post – onde o deadline foi comparado metaforicamente a uma linha de tiro – alguns leitores devem estar imaginando as reações na sala dos focas: gritos apavorados, desespero, apreensão, barganha por mais alguns minutos no prazo. Errado. No fim da entrevista dava para ouvir os dedos digitando nervosamente, é verdade.

Mas a agilidade exigida fez com que não perdêssemos o foco. É bem provável que a maioria deixasse para escrever o texto na última hora caso o prazo fosse maior. Eu, pelo menos, faço isso com uma frequência maior do que gostaria.

O fato é que nós precisamos do deadline. É claro que essa, como toda regra, não se aplica a qualquer tipo de texto ou apuração, há casos em que é essencial ter tempo e calma para escrever. Mas a pressão dos prazos é necessária e garante que o jornal saia todos os dias.

Agora, por exemplo, restam poucos minutos para eu enviar este post e assegurar que ele seja publicado na data prevista, sem atrasos. Nada como o deadline.

Mariana Niederauer, de 22 anos, é formada em Jornalismo pela Universidade de Brasília (UnB)