‘Não tem escapatória, jornalista precisa entender o mundo digital’, diz Adriana Garcia
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Não tem escapatória, jornalista precisa entender o mundo digital’, diz Adriana Garcia

A profissional de mídia foi uma das palestrantes na 12ª Semana Estado de Jornalismo. Ela fez parte do painel “Programação e design thinking, novas habilidades em pauta”

Redação

25 Outubro 2017 | 19h12

Adriana Garcia fala aos convidados da Semana Estado de Jornalismo (foto: Karina Campos)

Por Karina Campos

O caminho natural de um repórter iniciante, ao chegar à redação, era aprender tudo com os mais velhos. Hoje, todos precisam se adaptar às transformações no jornalismo – mas os jovens estão em vantagem, afirma a jornalista especializada em design estratégico Adriana Garcia. Ela também acredita que, independente da área, o profissional de comunicação deve saber o básico de tecnologia.

“O trabalho do jornalista mudou tanto que os mais jovens sabem melhor o que deve ser feito, por terem crescido no ambiente digital. Os mais velhos detêm os conhecimentos tradicionais de reportagem, mas muitos ainda não possuem toda a noção dos aspectos tecnológicos de distribuição, estratégia, dados e uma série de outras disciplinas que entraram para fazer o jornalismo acontecer”, disse.

Garcia foi um das convidadas da 12ª Semana Estado de Jornalismo, que teve seu segundo dia de palestras nesta quarta-feira (25). Na ocasião, ela participou do painel “Programação e design thinking, novas habilidades em pauta”, em que abordou formas inovadoras de fazer jornalismo, que fujam do padrão textual.

+ Recursos da tecnologia auxiliam experiência do leitor moderno

Estar por dentro dos avanços da era digital e seus impactos na rotina da informação não é mais um diferencial. Todos, independente da área, devem entender assuntos como privacidade na internet, além dos interesses comerciais e das novas formas de distribuição e monetização de conteúdo, na avaliação da profissional.

“Jornalista não é o ‘salvador da pátria’, ele não tem como saber tudo. Mas estar antenado à digitalização do mundo deve fazer parte da formação profissional, pois é tarefa do jornalista. Antes, se você cobria uma área jurídica, por exemplo, saber o que acontecia nos tribunais era suficiente. Hoje, se você se restringir a isso, vai ficar alienado de uma realidade que esta aí”, advertiu.

Adriana Garcia é jornalista, professora e consultora em design estratégico e mídias digitais. Tem mestrado pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (USP) e participou do programa J.S.Knight na Universidade de Stanford, na Califórnia, em 2013. Atuou na Reuters, Folha de S.Paulo, Veja SP e Exame. Também trabalhou como diretora de Comunicação Digital da Rio 2016.