Quando a notícia vira um drama
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Quando a notícia vira um drama

Redação

03 de dezembro de 2010 | 20h28

Uma das matérias que fiz durante o curso fala sobre pessoas excluídas da sociedade e do exercício da cidadania. Junto com os focas Felipe Frazão e Gustavo Coltri, percorri as ruas de São Paulo em busca destas histórias. Mesmo que a procura das fontes tenha sido um desafio, a redação foi a parte mais difícil. Tivemos medo de empobrecer as experiências de vida dos personagens e preferimos dar ênfase ao seu sofrimento. A correção da nossa editora, Carla Miranda, apontou para uma questão pertinente: as histórias já tinham carga dramática elevada por si só, não precisavam de mais drama no texto. Um estilo descritivo e sem exageros era a melhor opção. Diante do toque da editora, reavaliamos nossas palavras.

No último fim de semana, ao parar em frente a uma banca de jornal, lembrei desse aprendizado. Vi diversas capas de revistas sobre a lamentável situação de violência no Rio de Janeiro. Sou natural do Estado do Rio, e as notícias sobre lá me comovem. Mas comovem também aos meus amigos focas de outras Regiões. As notícias sobre a violência no Rio, assim como as histórias dos personagens do suplemento, são dramáticas por si só.

Entretanto, o que se vê na banca de jornal é um drama sobre o drama. Capas com fotos que parecem pertencer a um filme de guerra e até uma montagem do Cristo Redentor com balas e colete do Bope. E se o Cristo não estivesse de braços abertos, é provável que ele estaria também pegando em armas. As manchetes falam sempre de uma luta do bem contra o mal, como se a realidade tivesse o maniqueísmo de um conto de fadas.

O fundamental para o jornalismo em um momento desses é informar. Contar uma situação dramática da forma como ela é, sem pintá-la com cores ainda mais fortes. Informar de forma fiel, sem gerar sensacionalismo com os fatos, é sinal de compromisso com o leitor e respeito ao objeto retratado.

Daniela Schmid, de 23 anos, é formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: