As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Queremos atingir 200 milhões de pessoas no Brasil, diz diretor do Facebook

Carla Miranda

23 Outubro 2014 | 19h51

Por Mateus Luiz de Souza

Uma rede em franco crescimento, tanto em número de usuários quanto em importância para o tráfego na internet. Essa é a visão de Luis Olivalves, diretor do Facebook para a América Latina, em palestra para a 22ª Semana Estado de Jornalismo. Atualmente em 89 milhões de usuários no Brasil, de um total de 105 milhões de pessoas conectadas à internet, ele diz que o grande desafio é atingir os outros 100 milhões ainda sem conectividade à web. Outro dado interessante é que os brasileiros passam em média 16,6 horas do mês navegando na rede social, e a acessam cerca de 14 vezes por dia. Além disso, o acesso viacelular já é feito por 68 milhões de pessoas.

Quanto a audiência na internet, a rede social de Zuckerberg é responsável por 30% dos tráfegos de sites no mundo. No Brasil, gera 350 milhões de visitas anuais, e vai num ritmo de crescimento de 350% ao ano. No entanto, os sites jornalísticos não conseguem aproveitar esse fator, na visão de Luis Olivalves. “É preciso uma educação nessa área, e as empresas, até por falta de investimento no setor, não conseguem entender as métricas. Criamos uma área de conteúdo na empresa há um ano para fazer esse ensinamento”, destaca.

Questionado se a empresa pretendia entrar no ramo da produção de conteúdo, negou e disse que a rede se autossustenta a partir do que é postado nela. “Nossa missão é compartilhar momentos. O momento é da pessoa, e não nosso. As pessoas falam sobre algo para estimular a conversa, e isso sempre está associado a um grande evento, como Super Bowl, Liga dos Campeões. No último capítulo de Avenida Brasil, eu nunca vi nada igual, de cada dez postagens, dez eram sobre o final da novela”, conta Luis.

Para o crescimento da marca na rede, ele ressaltou a importância de dialogar com o público. “As pessoas esperam falar com alguém e não com uma máquina. Elas querem a sua presença, e sentir a participação delas valorizadas. É preciso ter disponibilidade, faz toda a diferença”, disse, citando o exemplo do Globo Esporte, que, antes do programa ir ao ar, a apresentadora mostra histórias de bastidores da gravação. Ainda no assunto, destacou o uso do Mentions, aplicativo exclusivo para celebridades, em que é possível verificar o que se está falando sobre determinada pessoa Facebook afora. “Essa possibilidade de interação que o app possibilita atrai o público”, afirmou, ao citar dois exemplos desse uso, da Ivete Sangalo e Whoopi Goldberg.