São Paulo não assusta tanto
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

São Paulo não assusta tanto

Redação

13 Novembro 2010 | 10h52

Em uma análise rápida, a possibilidade de morar em São Paulo assusta, ainda mais ao sair de casa pela primeira vez. A cidade tem muitos superlativos, para o bem e para o mal. Os aspectos negativos são conhecidos – basta acompanhar o noticiário. Para quem tem receio de viver por aqui, vale mencionar algumas situações positivas. Elas me impressionam desde quando cheguei, há pouco mais de dois meses.

Ter acesso fácil às estações do Metrô é um dos caminhos para fugir do trânsito. Muitos reclamam de falhas e superlotação (3,4 milhões de usuários por dia, segundo estimativas recentes), mas a praticidade e a oferta constante fazem dele uma opção considerável. Cito isso porque fiquei surpreso com a utilidade do meio de transporte. Sou de Belo Horizonte, cidade que possui atendimento restrito desse serviço: esperar ônibus representa a única saída para grande parte das pessoas.

Decidi morar na região central de São Paulo e pensava que veria congestionamentos na porta de casa diariamente. Por sorte, a previsão estava errada. Os quilômetros de lentidão nos horários de pico preocupam, porém isso não ocorre em todas as vias, o tempo inteiro, sete dias por semana. A cidade possui ritmo intenso. Mas também apresenta momentos calmos. Um dos exemplos é a relativa tranquilidade aos domingos, quando muitas lojas ficam fechadas e podemos fazer atividades sem a agitação habitual.

Trata-se de uma terra de oportunidades e de pessoas voltadas para o trabalho. Por aqui, vi um colega de quarto ser promovido em quatro semanas. Tenho dúvidas se o mesmo ocorreria em outros locais. A cidade tem problemas? Sim, vários. Contudo, ela se mostra capaz de acolher quem pretende vê-la não apenas pelos aspectos negativos de uma metrópole. Ela tem mais a oferecer do que parece, sobretudo quando a analisamos de longe. Se o balanço entre pontos positivos e negativos for feito com atenção, a cidade passa a não assustar tanto.

Gustavo Aleixo, de 24 anos, é formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Mais conteúdo sobre:

Gustavo Aleixo