Sustentabilidade no espaço urbano
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Sustentabilidade no espaço urbano

Redação

09 de junho de 2015 | 19h42

Por Fellipe Bernardino, Isabela Bonfim, Ítalo Rômany, Mariana Ribeiro, Rodolfo Mondoni e Tiago Nicacio

Na abertura da 3ª Semana Estado de Jornalismo Ambiental, realizada nesta terça-feira, 9, foram debatidas soluções sustentáveis no espaço urbano, desde a melhoria na mobilidade até como a vida nas cidades impacta a saúde de seus habitantes. O evento, organizado pelo jornal O Estado de São Paulo em parceria com a multinacional Tetra Pak, conta com a participação de diversos especialistas do setor, jornalistas responsáveis pela cobertura de meio ambiente, e mais de cem estudantes de todo o Brasil.

O debate foi aberto por Maurício Broinizi, coordenador da Rede Nossa São Paulo, que abordou, entre outros assuntos, a desigualdade na distribuição das áreas verdes na capital. O palestrante apresentou um estudo que mostra que a cidade possui 40 m² de área verde por habitante, um índice acima dos 12 m² recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Mas há regiões com uma concentração bem abaixo desse nível, sobretudo na periferia e alguns bairros da região central. “Em regiões como a Mooca, por exemplo, esse índice não chega a 3m²”, destacou.

publico

A segunda palestra, ministrada por Paulo Saldiva, médico e professor de patologia na Universidade de São Paulo (USP), apontou como as cidades têm o potencial de disseminar malefícios à saúde de seus moradores. De acordo com Saldiva, um dos fatores que afetam a qualidade de vida nas cidades é o tempo perdido no trânsito. Ele ressaltou que as horas gastas diariamente a caminho do trabalho, impedem que as pessoas tenham a oportunidade de manter laços afetivos capazes de influenciar positivamente na saúde.

Mesmo assim, a solução não é que todos fujam para o campo. “O problema não está na cidade, mas na forma como se gerou a cidade”, argumentou. O médico acredita que cidades compactas e eficientes, com melhores matrizes energéticas, trazem benefícios imediatos às pessoas. “O meu remédio é incorporar a saúde humana e qualidade de vida em todas as políticas públicas. Transporte é saúde, parque é saúde, equipamentos culturais são saúde.”

Foto4

No segundo bloco de palestras, o tema das discussões foi conscientização urbana. André Palhano, um dos criadores da Virada Sustentável, questionou a maneira como a maioria das pessoas pensa temas como sustentabilidade e meio ambiente. Para ele, o senso comum tende a associar esses assuntos com as áreas rurais, quando na verdade eles dizem respeito também aos grandes centros urbanos.

“As campanhas ambientalistas ajudam a reforçar essa sensação de que meio ambiente e sustentabilidade se referem somente à biodiversidade e proteção de florestas e mananciais. Temos dificuldade de conectar essa visão às grandes cidades”.

Para exemplificar essa abordagem mais abrangente de sustentabilidade, Palhano citou coletivos que tentam mudar a maneira como as pessoas interagem com o espaço público nos centros urbanos. Um deles é o Instituto Mobilidade Verde, que, entre outras ações, transforma estacionamentos no centro de São Paulo em áreas de convívio social.

O presidente e fundador do Instituto Mobilidade Verde, Lincoln Paiva debateu sobre a forma como as pessoas utilizam o espaço público no ambiente urbano. Segundo ele, as cidades precisam ser um local mais agradável para os seus moradores, mas para isso é preciso que haja mudanças na forma de planejar e interagir com o espaço público. “Cidades melhores requerem pessoas melhores. A pergunta é como podemos melhorar as pessoas para que elas possam melhorar as cidades?”, disse. Foto2Paiva fez uma analogia das metrópoles com as grandes colônias de formigas, onde o convívio só é possível através do trabalho coletivo. “Precisamos encontrar qual é a química entre os cidadãos que vai nos permitir construir a nossa cidade”, ressaltou.

Prêmio Tetra Pak  

Durante a Semana Estado de Jornalismo Ambiental, que se encerra na sexta-feira, 12, serão apresentadas palestras sobre diversos temas relacionados à sustentabilidade. Ao final do evento, será conferido como premiação uma viagem ao estado americano do Texas para o ganhador da melhor reportagem sobre a temática desta edição: “Água e o consumo consciente”. O premiado participará de uma agenda de atividades jornalísticas feita pela Knight Center para Jornalismo nas Américas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: