A batalha geopolítica pelo 5G; ouça no ‘Estadão Notícias’
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A batalha geopolítica pelo 5G; ouça no ‘Estadão Notícias’

Gustavo Lopes Alves

26 de outubro de 2020 | 00h10

Em 2021 deve ocorrer o leilão do 5G no Brasil. No entanto, essa disputa está tomada de muita polêmica e com uma dose extra de ideologia na escolha da empresa que implementará a nova tecnologia no país. Hoje, a chinesa Huawei é a mais preparada para montar essa estrutura. No entanto, os Estados Unidos pressionam o Brasil a não permitir que os asiáticos levem o leilão. Isto por que o presidente americano Donald Trump acusa a Huawei de espionar outras nações a mando do governo chinês. O vice-presidente, Hamilton Mourão, já declarou que não vê problema nessa escolha. Já o presidente Jair Bolsonaro, disse que a palavra final será dele. O 5G promete revolucionar o mundo como conhecemos hoje, permitindo, por exemplo, carros sem motoristas e cirurgias à distância.

Afinal, existe razão para excluir os chineses do leilão? Como o 5G pode mudar a vida dos brasileiros? Na edição de hoje, conversamos sobre o assunto com o editor do caderno Link do Estadão, Bruno Capelas.

OUÇA O ‘ESTADÃO NOTÍCIAS’ TAMBÉM NO YOUTUBE

Todas as edições deste podcast também são publicadas no canal do Estadão no Youtube. Para ouvir gratuitamente nesta plataforma, é só clicar aqui.

ESTAMOS DISPONÍVEIS NA DEEZER!

Os podcasts do Estadão são oferecidos para consumo gratuito no serviço de streaming Deezer. Para ouvir, basta fazer o login na plataforma. Uma vez logado, é só colocar no campo de busca o nome do programa (“Estadão Notícias”) que você terá acesso imediato a todo nosso histórico de publicações. Você também pode acessar diretamente clicando neste link.

OUÇA TAMBÉM NO SPOTIFY!

Os podcasts do Estadão também são oferecidos para consumo gratuito na plataforma de streaming Spotify. Para acessá-lo e passar a segui-lo, basta digitar o nome do programa (“Estadão Notícias”) no campo de busca. Ou pode clicar diretamente neste link.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.