A rejeição aos candidatos de Lula e Bolsonaro; ouça no ‘Estadão Notícias’
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A rejeição aos candidatos de Lula e Bolsonaro; ouça no ‘Estadão Notícias’

Gustavo Lopes Alves

27 de outubro de 2020 | 00h10

Lula e Bolsonaro já foram fortes padrinhos políticos para candidatos a cargos no Executivo e Legislativo. O petista conseguiu fazer com que a desconhecida Dilma Rousseff se tornasse Presidente da República. Já Bolsonaro, elegeu uma série de governadores, deputados e senadores que o apoiava nas últimas eleições (2018). No entanto, o pleito municipal tem mostrado que essa força tem diminuído em alguns lugares. Em São Paulo, Russomanno, candidato do presidente, vai caindo a cada pesquisa. Jilmar Tatto, do PT, tem apenas 4% das intenções de voto. Esse fenômeno pode ser observado em outras capitais, como Rio de Janeiro e Recife.

Afinal, esses padrinhos mais atrapalham do que ajudam os candidatos? Por que eles perderam força na campanha? Na edição de hoje, conversamos com o repórter de política do Estadão, Ricardo Galhardo, e com o cientista político e pesquisador do laboratório de Política e Governo da Unesp de Araraquara, Bruno Silva.

OUÇA O ‘ESTADÃO NOTÍCIAS’ TAMBÉM NO YOUTUBE

Todas as edições deste podcast também são publicadas no canal do Estadão no Youtube. Para ouvir gratuitamente nesta plataforma, é só clicar aqui.

ESTAMOS DISPONÍVEIS NA DEEZER!

Os podcasts do Estadão são oferecidos para consumo gratuito no serviço de streaming Deezer. Para ouvir, basta fazer o login na plataforma. Uma vez logado, é só colocar no campo de busca o nome do programa (“Estadão Notícias”) que você terá acesso imediato a todo nosso histórico de publicações. Você também pode acessar diretamente clicando neste link.

OUÇA TAMBÉM NO SPOTIFY!

Os podcasts do Estadão também são oferecidos para consumo gratuito na plataforma de streaming Spotify. Para acessá-lo e passar a segui-lo, basta digitar o nome do programa (“Estadão Notícias”) no campo de busca. Ou pode clicar diretamente neste link.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.