As atrocidades do caso Prevent Senior e seus elos com governo; ouça no ‘Estadão Notícias’

As atrocidades do caso Prevent Senior e seus elos com governo; ouça no ‘Estadão Notícias’

Por Jefferson Perleberg

23 de setembro de 2021 | 00h10

O diretor da Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Júnior, foi convocado pela CPI da Covid para depor nesta quarta-feira, 22. A empresa está no centro de uma polêmica por conta de um suposto estudo que realizou utilizando medicamentos do chamado “kit covid”, sem conhecimento dos pacientes e seus familiares.

A empresa foi denunciada por ter subnotificado o número de mortes que ocorreram em suas unidades devido a esse experimento com a medicação e coagido médicos a adotarem o “tratamento precoce”.

No documento enviado à CPI da Covid médicos e ex-médicos da Prevent denunciam irregularidades do estudo e informam que a disseminação da cloroquina e outras medicações foi resultado de um acordo entre o governo Bolsonaro e a empresa.

Esse dossiê de posse da CPI da Covid afirma que a Prevent Senior usou pacientes como cobaias. Segundo o documento, a empresa omitiu sete mortes de pessoas tratadas com hidroxicloroquina.

O material é assinado por 15 médicos da operadora de planos de saúde. De acordo com os profissionais, a hidroxicloroquina foi administrada sem avisar pacientes ou parentes. O estudo foi realizado em São Paulo.

O presidente Jair Bolsonaro e seus filhos têm histórico de defesa do tratamento precoce contra covid, inclusive com divulgação de supostos resultados de pesquisas da Prevent.

Na CPI, o diretor da Prevent Senior negou que atestados de óbito foram adulterados para que não trouxessem a covid como fator da morte. No entanto, confirmou que a operadora orientou médicos a modificarem, após algumas semanas de internação, o código de diagnóstico dos pacientes, o chamado CID, de Covid-19 para outra doença.

No episódio do Estadão Notícias desta quinta-feira, vamos conversar com quem acompanhou esse caso envolvendo a Prevent Senior, a repórter do Estadão em Brasília, Julia Affonso. Também convidamos o advogado e professor de direito Salo de Carvalho, da Universidade Federal do Rio, e membro do Observatório da Corrupção da Saúde da Unilasalle/RS, para esclarecer os desdobramentos jurídicos e penais do caso para empresa e os envolvidos.

O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência.

Apresentação: Emanuel Bomfim

Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg, Ana Paula Niederauer e Julia Corá

Sonorização/Montagem: Moacir Biasi

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.