Assistencialismo: a nova arma de Bolsonaro; ouça no ‘Estadão Notícias’

Assistencialismo: a nova arma de Bolsonaro; ouça no ‘Estadão Notícias’

Gustavo Lopes Alves

11 de junho de 2020 | 06h00

Com o passar do tempo, o governo Bolsonaro vem perdendo apoio da opinião pública. Pesquisas recentes mostram que o presidente conta, hoje, somente com o seu eleitorado mais fiel. No entanto, um movimento interessante vem surgindo em meio à pandemia. O assistencialismo, tão criticado por Bolsonaro, está rendendo ao líder do Executivo aprovações positivas dos mais pobres e informais. Desde a criação do auxílio-emergencial, parte desses eleitores mudou a sua visão em relação à figura do presidente. Inclusive, a equipe econômica quer remodelar o Bolsa Família, que poderá atender mais pessoas. Afinal, Bolsonaro encontrou no assistencialismo sua sobrevivência política?

Na edição de hoje, conversamos sobre esse assunto com Fernando Schüler, cientista político e Professor do Insper, e com a editora do broadcast econômico, Sílvia Araújo. No quadro “Fique em Casa”, Renata Cafardo entrevista a atriz Carla Dias sobre como está encarando o período de quarentena e autoisolamento.

OUÇA O ‘ESTADÃO NOTÍCIAS’ TAMBÉM NO YOUTUBE

Todas as edições deste podcast também são publicadas no canal do Estadão no Youtube. Para ouvir gratuitamente nesta plataforma, é só clicar aqui.

ESTAMOS DISPONÍVEIS NA DEEZER!

Os podcasts do Estadão são oferecidos para consumo gratuito no serviço de streaming Deezer. Para ouvir, basta fazer o login na plataforma. Uma vez logado, é só colocar no campo de busca o nome do programa (“Estadão Notícias”) que você terá acesso imediato a todo nosso histórico de publicações. Você também pode acessar diretamente clicando neste link.

OUÇA TAMBÉM NO SPOTIFY!

Os podcasts do Estadão também são oferecidos para consumo gratuito na plataforma de streaming Spotify. Para acessá-lo e passar a segui-lo, basta digitar o nome do programa (“Estadão Notícias”) no campo de busca. Ou pode clicar diretamente neste link.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.