Augusto Aras e o seu ‘estado de defesa’; ouça no ‘Estadão Notícias’

Augusto Aras e o seu ‘estado de defesa’; ouça no ‘Estadão Notícias’

Por Barbara Rubira

22 de janeiro de 2021 | 00h10

O procurador-geral da República, Augusto Aras, divulgou na noite de terça, 19, uma nota pública em que reconheceu indiretamente o aumento da pressão por um impeachment do presidente Jair Bolsonaro, e disse que cabe ao Poder Legislativo o papel de analisar processos por crimes de agentes públicos.

Em outro trecho, o PGR afirma que o atual estado de calamidade seria uma “antessala para um estado de defesa. Previsto no artigo 136 da Constituição, o estado de defesa pode ser decretado pelo presidente da República, com o pretexto de “preservar ou prontamente restabelecer, em locais restritos e determinados, a ordem pública ou a paz social ameaçadas por grave e iminente instabilidade institucional”.

A fala de Aras repercutiu mal entre procuradores e membros do Supremo Tribunal Federal. O ministro Marco Aurélio Mello disse temer que possa estar havendo um movimento antidemocrático.

Afinal, em que consiste o estado de defesa e que peso têm as declarações de Augusto Aras? No episódio de hoje, conversamos com a advogada constitucionalista Vera Chemim, mestre em direito público administrativo pela FGV; e com a cientista política Tathiana Chicarino, professora da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo.

O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. 

Apresentação: Gustavo Lopes

Produção/Edição: Gustavo Lopes, Ana Paula Niederauer e Bárbara Rubira

Sonorização/Montagem: Moacir Biasi

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.