Brasil terá ‘PIBinho’ até quando? Ouça análises no ‘Estadão Notícias’
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasil terá ‘PIBinho’ até quando? Ouça análises no ‘Estadão Notícias’

Gustavo Lopes Alves

05 de março de 2020 | 06h00

O Brasil não decolou! O resultado do PIB, apresentado pelo IBGE, mostra que o país cresceu bem menos do que as projeções e ficou em 1,1% nos números consolidados de 2019. O resultado mostra que diversos setores produtivos tiveram um aumento tímido como, por exemplo, a indústria, que cresceu apenas 0,5%. As expectativas para esse ano também não são das melhores, muito pela influência do coronavírus na economia. Em contrapartida, o presidente Jair Bolsonaro preferiu tratar como piada o resultado do Produto Interno Bruto, tanto que usou o humorista Carioca para responder sobre o tema aos jornalistas que aguardavam no Palácio do Planalto.

Na edição de hoje, vamos debater o fraco desempenho do PIB, os prognósticos para 2020 e os desafios do governo para retomar o crescimento com a repórter de economia do Estadão em Brasília, Adriana Fernandes, e com o economista da Tendências Consultoria, Sílvio Campos Neto.

OUÇA O ‘ESTADÃO NOTÍCIAS’ TAMBÉM NO YOUTUBE

Todas as edições deste podcast também são publicadas no canal do Estadão no Youtube. Para ouvir gratuitamente nesta plataforma, é só clicar aqui.

 

ESTAMOS DISPONÍVEIS NA DEEZER!

Os podcasts do Estadão são oferecidos para consumo gratuito no serviço de streaming Deezer. Para ouvir, basta fazer o login na plataforma. Uma vez logado, é só colocar no campo de busca o nome do programa (“Estadão Notícias”) que você terá acesso imediato a todo nosso histórico de publicações. Você também pode acessar diretamente clicando neste link.

 

OUÇA TAMBÉM NO SPOTIFY!

Os podcasts do Estadão também são oferecidos para consumo gratuito na plataforma de streaming Spotify. Para acessá-lo e passar a segui-lo, basta digitar o nome do programa (“Estadão Notícias”) no campo de busca. Ou pode clicar diretamente neste link.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.