Com Bolsonaro, Brasil vive um semiparlamentarismo? Ouça no ‘Estadão Notícias’

Gustavo Lopes Alves

29 de janeiro de 2020 | 05h30

Em seu primeiro ano de mandato, o presidente Jair Bolsonaro acumula o menor índice de aprovação de textos de autoria do Executivo nos últimos 17 anos, apenas 21%. Seus antecessores conseguiram dialogar melhor com o Congresso e obtiveram rendimentos acima de Bolsonaro. Alguns motivos apontados por especialistas vão desde a inabilidade na articulação juntos aos líderes partidários até as confusões dentro do Palácio do Planalto, com polêmicas envolvendo ministros e o próprio presidente. Com essa brecha, o Legislativo passou a ter um maior protagonismo na agenda de pautas importantes para o País. Afinal, podemos dizer que temos um semipresidencialismo ou um semiparlamentarismo? Bolsonaro conseguirá construir uma base no Congresso em 2020?

Na edição de hoje, o editor do Estadão Dados e do Estadão Verifica, Daniel Bramatti, explica esses números e o que eles significam. Além disso, o cientista político da Tendências Consultoria, Rafael Cortez, analisa os desafios do governo Bolsonaro para retomar o protagonismo dentro do Congresso Nacional.

 

OUÇA O ‘ESTADÃO NOTÍCIAS’ TAMBÉM NO YOUTUBE

Todas as edições deste podcast também são publicadas no canal do Estadão no Youtube. Para ouvir gratuitamente nesta plataforma, é só clicar aqui.

 

ESTAMOS DISPONÍVEIS NA DEEZER!

Os podcasts do Estadão são oferecidos para consumo gratuito no serviço de streaming Deezer. Para ouvir, basta fazer o login na plataforma. Uma vez logado, é só colocar no campo de busca o nome do programa (“Estadão Notícias”) que você terá acesso imediato a todo nosso histórico de publicações. Você também pode acessar diretamente clicando neste link.

 

OUÇA TAMBÉM NO SPOTIFY!

Os podcasts do Estadão também são oferecidos para consumo gratuito na plataforma de streaming Spotify. Para acessá-lo e passar a segui-lo, basta digitar o nome do programa (“Estadão Notícias”) no campo de busca. Ou pode clicar diretamente neste link.

FOTO: ANDRE DUSEK/ESTADAO

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.