Começo de janeiro teve a maior procura por testes durante a pandemia, afirma CEO da Abrafarma

Começo de janeiro teve a maior procura por testes durante a pandemia, afirma CEO da Abrafarma

Por Jefferson Perleberg

11 de janeiro de 2022 | 00h10

O aumento de casos de covid-19 e de pacientes com sintomas gripais, após as festas de final de ano, tem levado a uma corrida por testes para detectar o coronavírus. Filas em farmácias e falta de testes também foram registrados em diferentes cidades do Brasil.

Dados da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias apontam que 284 mil testagens foram feitas entre 27 de dezembro e 2 de janeiro: 50% superior ao de 20 a 26 de dezembro. “A gente conseguiu reforçar os estoques, mas continua difícil porque a demanda ainda é muito grande”, afirma o CEO da Abrafarma, Sérgio Mena Barreto.

Já o volume de resultados positivos para covid pulou de 22 mil para 94,5 mil. ​A epidemia de influenza em vários Estados e o espalhamento da variante Ômicron do coronavírus, mais contagiosa, são os principais motivos para a aceleração da procura.

Ouvido pelo podcast, o neurocientista da Universidade de Duke, Miguel Nicolelis falou que muitas decisões tomadas no ano passado foram antecipadas e causaram o atual cenário de maior transmissão da variante ômicron. “Foi plenamente imatura as previsões de que a pandemia iria acabar em dezembro de 2021, ainda temos um longo caminho”, diz o neurocientista.

Para o especialista, o país desperdiçou a chance de se preparar para a variante Ômicron que avançava na Europa antes de chegar aqui. “Desde o início da pandemia o que faltou foi planejamento e agora, com essa nova variante, foi a cereja do bolo da desorganização”, afirma Nicolelis. Ainda destaca ao podcast que a proteção das vacinas é clara, tanto para adultos como para crianças, e que sem imunização a quantidade de casos graves da variante seria muito maior.

No episódio do Estadão Notícias desta terça-feira, 11, vamos ouvir o CEO da Abrafarma, Sérgio Mena Barreto, para entender como esses estabelecimentos estão lidando com o aumento de testagem e se há risco de desabastecimento generalizado de testes. Para falar sobre o problema da falta de testes, devido a alta demanda, vamos conversar com Miguel Nicolelis, neurocientista da Universidade de Duke.

O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência.

Apresentação: Gustavo Lopes

Produção/Edição: Jefferson Perleberg e Gabriela Forte

Montagem: Moacir Biasi

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.