Correios: É preciso privatizar? Ouça no ‘Estadão Notícias’

Correios: É preciso privatizar? Ouça no ‘Estadão Notícias’

Por Jefferson Perleberg

08 de julho de 2021 | 00h10

Uma das propostas de privatização que mais geram polêmica nos últimos anos é a dos Correios. O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), quer acelerar a votação do projeto ainda no mês de julho. 

O secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Diogo Mac Cord, anunciou que o governo decidiu privatizar 100% do capital dos Correios.

Para o leilão acontecer no primeiro trimestre de 2022, como planejado, o Congresso ainda precisa aprovar o projeto de lei. Um dos argumentos do governo para vender a empresa é de que hoje existe uma incerteza quanto à autossuficiência e capacidade de investimentos futuros por parte da estatal

No entanto, entre 2013 e 2016, a estatal acumulou um prejuízo de quase 4 bilhões, fruto de problemas, como os rombos nos planos de previdência (o Postalis) e de saúde (o Postal Saúde) dos funcionários.

Hoje, os Correios possuem mais de 6 mil agências próprias, além de cerca de 4 mil comunitárias, mil franqueadas e 127 permissionárias, sendo a única marca presente, sem exceção, em todos os municípios brasileiros. Com a potencial privatização, uma das principais dúvidas é de onde virá a garantia de que cidades afastadas ou menos rentáveis terão o mesmo serviço de hoje.

No episódio do Estadão Notícias de hoje, vamos conversar com o economista-chefe da Necton, André Perfeito, para analisar a possibilidade de privatização e como o mercado enxerga essa desestatização dos Correios. Para entender melhor como anda a tramitação deste projeto, vamos falar com a repórter de economia da Agência Estado, Amanda Pupo.

O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência.

Apresentação: Emanuel Bomfim

Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg, Gabriela Forte e Daniel Reis.

Montagem: Moacir Biasi

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.