De quem é a culpa das tragédias ocorridas com as chuvas? Ouça no ‘Estadão Notícias’
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

De quem é a culpa das tragédias ocorridas com as chuvas? Ouça no ‘Estadão Notícias’

Gustavo Lopes Alves

04 de março de 2020 | 06h00

As chuvas que caíram na região Sudeste, neste começo de ano, trouxeram diversos transtornos à população, como deslizamentos e enchentes. Ao mesmo tempo, esses problemas se repetem ano após ano, e uma pergunta fica no ar: É impossível evitar que as chuvas tragam as mesmas consequências já conhecidas pelo poder público? No litoral paulista, já são mais de 10 mortos, e no Rio, pelo menos 5 pessoas perderam a vida. Além disso, os governantes culpam o grande volume de chuva para justificar os transtornos causados a população. Afinal, está chovendo mais do que o esperado?

No programa de hoje, conversamos sobre o papel do poder público diante dos problemas trazidos pela chuva com o engenheiro hídrico da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Antônio Eduardo Giansante. Batemos um papo também com o meteorologista do Centro de Gerenciamento de Emergência de São Paulo, Adílson Nazário sobre os motivos dessas tempestades.

OUÇA O ‘ESTADÃO NOTÍCIAS’ TAMBÉM NO YOUTUBE

Todas as edições deste podcast também são publicadas no canal do Estadão no Youtube. Para ouvir gratuitamente nesta plataforma, é só clicar aqui.

 

ESTAMOS DISPONÍVEIS NA DEEZER!

Os podcasts do Estadão são oferecidos para consumo gratuito no serviço de streaming Deezer. Para ouvir, basta fazer o login na plataforma. Uma vez logado, é só colocar no campo de busca o nome do programa (“Estadão Notícias”) que você terá acesso imediato a todo nosso histórico de publicações. Você também pode acessar diretamente clicando neste link.

 

OUÇA TAMBÉM NO SPOTIFY!

Os podcasts do Estadão também são oferecidos para consumo gratuito na plataforma de streaming Spotify. Para acessá-lo e passar a segui-lo, basta digitar o nome do programa (“Estadão Notícias”) no campo de busca. Ou pode clicar diretamente neste link.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.