Depois de Mandetta e Moro, Paulo Guedes é o próximo? Ouça no ‘Estadão Notícias’

Depois de Mandetta e Moro, Paulo Guedes é o próximo? Ouça no ‘Estadão Notícias’

Gustavo Lopes Alves

27 de abril de 2020 | 05h42

Mesmo após as demissões de Luiz Henrique Mandetta e Sérgio Moro, o quadro ministerial do governo Bolsonaro ainda pode sofrer sérias alterações, agravando ainda mais a crise política. A bola da vez é Paulo Guedes. Neste período de crise do coronavírus ficou evidenciado que existe um descompasso do que pensa o governo e sua equipe econômica. Paulo Guedes, reconhecidamente um liberal, defende menor intervenção do Estado. No entanto, semana passada, o governo lançou algumas ações de investimento público para o período pós-pandemia, sem o aval de Paulo Guedes. Estaria o ministro desprestigiado? Seu descompasso com o governo pode provocar sua saída?

Na edição de hoje, as análises da situação do titular da Economia com a repórter do Estadão em Brasília, Adriana Fernandes, o economista Paulo Gala, e as colunistas do Estadão, Vera Magalhães e Eliane Cantanhêde. No quadro “Fique em Casa”, Renata Cafardo entrevista a atriz e diretora, Barbara Paz, sobre como está encarando o período de quarentena e autoisolamento.

 

OUÇA O ‘ESTADÃO NOTÍCIAS’ TAMBÉM NO YOUTUBE

Todas as edições deste podcast também são publicadas no canal do Estadão no Youtube. Para ouvir gratuitamente nesta plataforma, é só clicar aqui.

ESTAMOS DISPONÍVEIS NA DEEZER!

Os podcasts do Estadão são oferecidos para consumo gratuito no serviço de streaming Deezer. Para ouvir, basta fazer o login na plataforma. Uma vez logado, é só colocar no campo de busca o nome do programa (“Estadão Notícias”) que você terá acesso imediato a todo nosso histórico de publicações. Você também pode acessar diretamente clicando neste link.

OUÇA TAMBÉM NO SPOTIFY!

Os podcasts do Estadão também são oferecidos para consumo gratuito na plataforma de streaming Spotify. Para acessá-lo e passar a segui-lo, basta digitar o nome do programa (“Estadão Notícias”) no campo de busca. Ou pode clicar diretamente neste link.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.