Editorial: A trégua das agências de risco